CBF rebate acusações de Lugano e sai em defesa de Neymar

Em nota, entidade nega que escolha do árbitro da semifinal tenha sido fruto de um acordo

ROBSON MORELLI, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 11h24

A CBF divulgou nesta quarta-feira uma nota oficial para rebater as declarações do zagueiro Lugano. Na terça-feira, o capitão da seleção uruguaia colocou em xeque a escolha da Fifa do árbitro chileno Enrique Osses para apitar a semifinal da Copa das Confederações entre Brasil e Uruguai, que será disputada nesta quarta-feira no Mineirão. Em nota, atribuída aos membros da comissão técnica da seleção brasileira, a CBF acusa o jogador do Uruguai de se valer de um expediente antigo e ultrapassado no futebol: "não faz sentido nem tem cabimento".

Lugano disse que a escolha de Osses justificaria uma troca de favores com o Brasil porque a CBF abriu mão de sediar a Copa América de 2015 em prol do Chile. "Ele quer dizer, dessa forma cifrada, que uma ''imaginária'' troca de favores agora beneficiaria o Brasil", afirma a nota oficial.

"Nada mais antigo e ultrapassado do que essa manifestação pré-jogo feita pelo zagueiro uruguaio. Lugano apela para um artifício já superado há muitos anos, um argumento gasto pelo tempo, que no futebol contemporâneo não faz mais sentido nem tem cabimento. Além da visível tentativa de coação sobre o árbitro, Lugano, com suas declarações inteiramente fora de lugar, passa a pôr em dúvida a lisura das entidades Fifa e Conmebol e de suas respectivas Comissões de Arbitragem", critica a CBF.

O zagueiro também condenou as firulas do Neymar. Disse que ele abusa das simulações em benefício próprio. Foi dessa maneira que o atacante cavou a falta que originou o seu gol contra a Itália, ainda pela primeira fase da Copa das Confederações. A nota, então, sai em defesa do atacante da seleção brasileira. "Neymar, é bom repetir, não precisa recorrer a simulações para jogar futebol que está encantando e conquistou o mundo", defende.

De acordo com a CBF, as declarações de Lugano tem a única pretensão de intimidar o árbitro Enrique Ossses. "O que Lugano pretende ao falar sobre Neymar é, na verdade, exercer de antemão uma pressão sobre o árbitro para que não seja punido pelas possíveis entradas mais duras que certamente terá de aplicar no jogador brasileiro", diz a CBF.

Rebatendo as insinuações de Lugano, a CBF encerra a nota afirmando que a seleção brasileira conquistou todas as suas glórias através do talento de seus jogadores. "Esse recurso, também por demais conhecido e ultrapassado, está fora igualmente do cenário do futebol brasileiro, que é vencedor e pentacampeão do mundo graças única e exclusivamente ao talento dos seus jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.