Rafael Ribeiro/CBF
Rafael Ribeiro/CBF

CBF recua e promete parar Brasileirão nas Eliminatórias

Paralisação durante jogos da seleção é reivindicação antiga

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 19h29

O coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi, garantiu nesta quarta-feira que os clubes brasileiros não serão mais desfalcados neste ano após os amistosos de setembro da seleção brasileira. A partir de outubro, começa a disputa das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, com quatro rodadas entre outubro e novembro, que não vão coincidir com os jogos do Campeonato Brasileiro.

Os próximos amistosos serão contra a Costa Rica, no dia 5 de setembro, e Estados Unidos, no dia 8. Além disso, a seleção olímpica joga contra a França, também no dia 8. Alguns dirigentes de clubes nacionais que tiveram jogadores convocados lamentaram a possibilidade de perder seus jogadores por até três jogos do Brasileiro e criticaram o calendário da CBF.

"Felizmente nas próximas datas Fifa o Campeonato Brasileiro vai parar", comentou Gilmar, após participar de um encontro com ex-jogadores na sede da CBF, no Rio. "Eu entendo a preocupação dos clubes. Liguei diretamente para o Rodrigo Caetano [do Flamengo] para tratar do assunto. O presidente [Marco Polo Del Nero] está estudando medidas para o futuro", contou. Caetano fez duras reclamações por causa da convocação do lateral Jorge, de 19 anos, para a seleção olímpica.

Gilmar também informou que o atacante Neymar deve ter condições de participar dos dois amistosos da seleção principal. Na semana passada, durante a divulgação dos convocados, o técnico Dunga havia revelado não havia certeza que o jogador do Barcelona teria condições de atuar, em consequência de um tratamento contra caxumba.

"Os médicos da seleção estão conversando com os médicos do Barcelona, e a informação que temos é que Neymar vai estar pronto para jogar. Deve até jogar antes pelo Barcelona", revelou Gilmar. O atacante, no entanto, não vai poder participar das duas primeiras partidas das Eliminatórias, contra Chile e Venezuela, em consequência de uma suspensão sofrida ainda na Copa América.

A CBF realizou nesta quarta-feira o segundo debate do Conselho de Desenvolvimento Estratégico para o futebol brasileiro. Os convidados da vez foram alguns jogadores que se destacaram na seleção em diferentes gerações. Eles se reuniram com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, o técnico Dunga e o coordenador Gilmar Rinaldi.

O volante Vampeta, campeão mundial em 2002, foi o primeiro a deixar a reunião. Questionado sobre que tipo de opinião passou para Dunga, ele foi irreverente. "Desejei boa sorte ao Dunga", contou. "Se tivesse uma ciência exata, eu não passaria para ninguém, ficaria só para mim e ganharia tudo."

Além dele, participaram do encontro Juninho Paulista, Edmílson, Roque Junior, campeões em 2002; Ricardo Rocha e Mauro Silva, tetracampeões em 94; Junior e Oscar, do time de 82; Piazza e Jairzinho, tricampeões em 70.

A capacitação de técnicos das categorias de base e de professores de educação física em escolas, como forma de aprimorar o desenvolvimento dos jovens jogadores foi um dos principais temas debatidos. "Nosso pior problema é a saída dos garotos muito cedo. Os caras que estão na seleção são bons, mas saíram muito rápido do futebol brasileiro e não têm nossa cultura", avaliou Jairzinho.

Futebol não foi o único tema tratado na reunião. A CBF também entregou para os jogadores campeões do mundo pela seleção o contrato de um novo plano de saúde e odontológico, o que foi comemorado pelo ex-volante Vampeta.

Agora além de contarem com o apoio de uma operadora que patrocina a CBF, receberam um plano de uma empresa rival. "Imagina se o Vamp sofre um piripaque. Agora tem um plano de saúde para me socorrer pelo resto da vida. E se quiser melhorar meu sorriso, tem um plano odontológico", brincou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.