CBF revela balanço contábil de 2003

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tornou público nesta sexta-feira o seu balanço contábil de 2003 e, apesar de ter saído do negativo em seu patrimônio líquido, acumulou grandes perdas de receitas em relação ao exercício de 2002. No documento, o lucro da entidade foi de R$ 3.373.000,00 contra R$ 17.851.000,00 do ano anterior. A principal razão para a perda de rendimentos foi a de que em 2002 a entidade foi beneficiada com a realização da Copa do Mundo da Coréia e Japão, o que não ocorreu em 2003. Para se ter uma idéia, se no ano passado as receitas brutas foram de R$ 105 milhões, em 2002 este valor atingiu R$ 125 milhões. As principais quedas de receitas brutas estão nos direitos de transmissão de TV, de R$ 14 milhões, em 2002, passou para R$ 9,5 milhões, em 2003, e na arrecadação com o futebol profissional: de R$ 35 milhões para R$ 13 milhões. Mas, a entidade compensou um pouco a falta de receitas com o aumento de recursos de patrocínios, já que pulou de R$ 70 milhões para R$ 80 milhões no ano passado. Mas, o principal ponto do balanço comemorado pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, foi o saldo positivo do patrimônio líquido da empresa. Em 2002 o valor era negativo de R$ 4.889.000,00, mas com uma reserva de reavaliação de R$ 5.256.000,00 somada ao lucro deste ano gerou um saldo de R$ 3.740.000,00. "A reserva é uma reavaliação do bens da CBF, de seu ativo permanente", explicou o sócio-gerente da MPCN Sistemas Contábeis e Auditoria, Maurício Costa, responsável pela contabilidade da entidade. "Para exemplificar, a Granja Comary (centro de treinamento em Teresópolis, na região serrana) estava avaliada em outros balanços em R$ 400 mil, quando sabemos que ela vale cerca de R$ 4 milhões. Foram esses ajustes que fizemos."

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2004 | 20h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.