Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

CBF tem contrato com intermediária para revender direitos de TV

Acordo com a Pitch, citada no julgamento de José Maria Marin, vai até 2022 e vale para jogos da seleção brasileira

Almir Leite e Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2017 | 17h00

A CBF, e por extensão a seleção brasileira, tem envolvimento com empresas que estão na mira do FBI. Durante o julgamento de José Maria Marin, foi revelado que a Full Play vendia nos EUA os direitos de TV do Campeonato Argentino, mas que isso ocorria graças a outra companhia: a Pitch International.

A Pitch foi a empresa que assinou um contrato com a CBF em 2012 para organizar os amistosos da seleção e, claro, revender seus direitos de TV no exterior. O acordo é por dez anos, até 2022, e deverá ser honrado. “Sem prejuízo dos contratos em vigor, a CBF sempre busca adaptações positivas aos interesses do futebol brasileiro’’, disse a CBF ao Estado por meio de nota. “A discussão de novos contratos ou modelos de negócio dependem do encerramento dos acordos atuais.’’

Em junho de 2015, ao depor na Câmara dos Deputados, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, disse que o contrato com a Pitch seria “reavaliado’’.

Antes de 2012, foi justamente a venda de direitos sobre a seleção para intermediários da saudita ISE que permitiu, segundo investigações na Espanha, que mais de 8 milhões de euros fossem distribuídos entre o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell. Eles negam.

No mercado interno, a CBF tentou mudar o modelo de venda dos direitos. Em setembro, abriu concorrência para 37 jogos da seleção até 2022 (28 amistosos e os 9 pelas Eliminatórias da Copa do Catar). O pacote para TV aberta e por assinatura não teve lance. Em outubro, a entidade fechou com a Globo. O valor não foi revelado. A CBF afirma que o sistema de leilão “é um modelo vigente conforme estabelecido em seu estatuto e nos regulamentos internos.’’

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.