CBF terá problemas com ?estrangeiros?

Leão disse, quando assumiu o cargo, que não estava preocupado com a possibilidade de utilizar ou não os jogadores brasileiros que atuam no exterior. Alegou haver "bom produto" no País. A base da seleção, porém, é de "estrangeiros", o que pode trazer problemas para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) num futuro bem próximo. Para os amistosos contra o México e os Estados Unidos, dirigentes da Roma e do Milan ameaçaram não ceder seus jogadores.Dos 11 titulares, apenas o goleiro Rogério Ceni, do São Paulo, e Romário, do Vasco, atuam no Brasil. Os outros nove jogam no exterior - Ronaldinho Gaúcho, ex-Grêmio, irá se transferir para o Paris Saint-Germain em juho.O calendário deste ano é apertado para a seleção. Além destes dois amistosos, a CBF pretende marcar quase um por mês em média. A equipe disputará, ainda, as eliminatórias, a Copa América, na Colômbia, e a Copa dos Confederações, no segundo semestre. Assim, por haver um limite de convocações de jogadores por ano, Leão dificilmente terá todos os brasileiros que defendem clubes europeus no fim de 2001."Poder convocar todos os jogadores que atuam fora para estes amistosos não foi uma vitória nossa, mas uma realidade que o Brasil está impondo, apenas o que havia sido combinado", comentou o treinador.Além dos jogos oficiais, a seleção tem de disputar algumas partidas que pouco acrescentam ao grupo por causa do contrato de patrocínio entre a CBF e a Nike, que exige a realização de amistosos durante o ano. A entidade fatura US$ 500 mil por cada partida. Em 2001, haverá apenas mais um, ainda sem data e adversário definidos. O confronto com o México, quarta-feira, em Guadalajara, não faz parte do chamado "jogo Nike".Para a empresa, o amistoso com os Estados Unidos em Los Angeles é "perfeito". A seleção norte-americana também é patrocinada pela Nike e o país é o maior consumidor de seus produtos. "A empresa ganha com o marketing", conta Ingo Ostrovsky, diretor de Comunicação. A multinacional não recebe nenhum cachê por ser a "dona do jogo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.