Jonas Ekstromer/AP
Jonas Ekstromer/AP

CBF vai homenagear campeões de 1958 no amistoso da seleção com África do Sul

Marin: 'Muitos não puderam ir à Suécia. Vamos tentar reunir o máximo de campeões no Morumbi'

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2012 | 14h06

SÃO PAULO - A homenagem aos jogadores campeões mundiais em 1958, feita no dia 15 de agosto no amistoso entre Brasil e Suécia que marcou a "despedida'' do Estádio Rasunda, em Estocolmo, vai prosseguir no Morumbi. A revelação foi feita nesta terça-feira pelo presidente da CBF, José Maria Marin. Durante visita à AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), em São Paulo. O dirigente disse que outros responsáveis pela primeira conquista mundial da seleção brasileira terão o feito reconhecido no dia 7 de setembro, durante o amistoso com a África do Sul.

Marin disse que decidiu fazer a homenagem porque poucos campeões de 1958 puderam ir a Estocolmo - apenas Pelé, Zito, Pepe e Mazzola compareceram. "Muitos não puderam ir à Suécia até por problemas de saúde. Vamos tentar reunir o máximo de campeões no Morumbi, mesmo aqueles que estão mais debilitados, como o Gilmar (goleiro titular do time campeão), o Zagallo, que passou por cirurgia recente e outros'', explicou. "O Bellini, infelizmente, está muito doente. E estamos com dificuldade para localizar o Djalma Santos."

Quem também será homenageado, mesmo sem ter sido campeão mundial, é o ex-goleiro do Palmeiras Oberdan Cattani, hoje com 95 anos. "Ele também jogou pela seleção e, se não me engano, foi campeão sul-americano em 1946'', disse Marin. Na verdade, Oberdan foi vice-campeão na campanha de 1945. O torneio foi disputado no Chile e a Argentina venceu.

Na programação do amistoso também está a execução do Hino Nacional pelo maestro João Carlos Martins, acompanhado pelo coro de crianças da Favela Heliópolis. Marin recebeu, de um dirigente da AACD, a sugestão para que a seleção entre em campo no dia 7 acompanhada de crianças assistidas pela entidade. "Por mim, está aprovado. Mas como tudo que envolve a seleção está sujeito a contratos e às normas da Fifa, vou fazer uma consulta para ver se é possível", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolseleção brasileiraCBF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.