Christian Alekson/Divulgação
Christian Alekson/Divulgação

Ceará derrota o Bahia e leva Copa do Nordeste com recorde de público

Equipe leva mais de 60 mil pessoas à Arena Castelão em decisão

O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2015 | 00h32

Diferente do ano passado, quando os cerca 60 mil torcedores do Ceará que acompanharam a final da Copa do Nordeste, contra o Sport, saíram decepcionados da Arena Castelão após o empate em 1 a 1, que deu o título aos pernambucanos, os alvinegros tiveram motivos de sobra para comemorar na noite desta quarta-feira. Com gols dos zagueiros Charles e Gilvan, a equipe fez 2 a 1 no Bahia, em casa, e faturou a Copa do Nordeste.

Como o jogo de ida já havia terminado com triunfo do Ceará, por 1 a 0, na Arena Fonte Nova, o placar agregado da decisão ficou em 3 a 1 para o time de Fortaleza. A conquista da "Lampions League" ainda garantiu uma vaga na Copa Sul-Americana deste ano para o clube.

O público da final do torneio, de 63.903 pessoas no total (para 63.399 pagantes), foi o maior em um estádio brasileiro desde a disputa da Copa do Mundo no País. O recorde anterior também era do Castelão, e pertencia ao grande rival do Ceará, o Fortaleza, que levou 63.254 indivíduos (com 62.525 pagantes) na partida contra o Macaé, pela Série C do ano passado.

Em 2015, o recorde de público presente era do clássico carioca entre Flamengo e Vasco, pela primeira fase do Campeonato Carioca, com 56.020 presentes. O maior público pagante havia sido no último domingo, no duelo de ida pela final do Mineiro, entre Atlético-MG e Caldense, com  53.772 pessoas pagando pela entrada.

O JOGO
Apesar do Bahia ter iniciado melhor a partida, tendo criado pelo menos três chances claras de gol nos primeiros minutos, quem abriu o placar foi o Ceará, aos 15 minutos do primeiro tempo. Após cruzamento do meia Ricardinho, pela direita, o zagueiro Charles cabeceou para o fundo das redes, abrindo a contagem para a equipe alvinegra.

Aberto o placar, o confronto perdeu a intensidade vista nos minutos iniciais. Mesmo tendo um gol anulado aos 27 minutos da primeira etapa - após a arbitragem marcar impedimento do atacante Kieza - o Bahia, precisando virar o confronto para ficar com a taça, não conseguiu pressionar o Ceará, que também não foi efetivo nos contra-ataques.

Para a segunda etapa, o Ceará voltou com tudo. Após acertar a trave do goleiro Jean, aos quatro minutos, o time ampliou o marcador com mais um gol de defensor. Em mais um cruzamento de Ricardinho, Gilvan testou para o fundo da rede, encaminhando o título para o clube.

O Bahia, sem desistir, ainda criou duas boas chances antes de diminuir, aos 43 minutos, com Maxi Biancucchi. Porém, o tento veio tarde demais, não impedindo a fanática torcida cearense de soltar o grito de campeão ao término da partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.