Flickr Oficial / Ceará
Flickr Oficial / Ceará

Ceará desafia Grêmio para manter embalo e deixar zona do rebaixamento

Lisca espera equipe compacta e forte defensivamente e mentalmente para conquistar pelo menos um ponto

Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2018 | 05h46

Dono da terceira melhor campanha do returno do Campeonato Brasileiro, com 11 pontos em seis jogos, o Ceará tem mais um compromisso difícil para seguir na luta contra o rebaixamento. Neste domingo, às 11 horas, o alvinegro vai até Porto Alegre para encarar o Grêmio, pela 26ª rodada.

Responsável por manter vivo o sonho do Ceará em permanecer na elite, o técnico Lisca acredita que o time precisa fazer um jogo perfeito para conquistar pelo menos um empate diante do Grêmio, a quem rasgou elogios e elegeu Renato Gaúcho como "o principal personagem de todos os tempos" do clube, sendo campeão mundial como jogador e agora tendo sucesso como treinador.

"Tem que estar bem organizado, compacto e forte defensivamente e, principalmente, mentalmente. É fazer um jogo perfeito para conquistar alguma coisa no sul, onde é muito duro jogar. Sei bem, porque sou de Porto Alegre. Poucos times vão lá e conseguem pontos", reforçou o treinador.

Sem desfalques por suspensão ou contusão, Lisca deve manter a formação que venceu o Vitória, por 2 a 0, na última rodada, no Castelão. A principal preocupação é em relação aos jogadores que estão pendurados e que podem fazer falta na sequência. São seis ao todo: o lateral-direito Samuel Xavier, os zagueiros Tiago Alves e Luiz Otávio, os meias Calyson, Ricardinho e Reina.

Desses, apenas os dois últimos não serão titulares neste domingo. Reina, inclusive, está lesionado. "Nosso grupo é pequeno e sofremos muito com contusões e suspensões. Os grandes clubes, como o Grêmio, não têm este problema. O time chamado B do Renato Gaúcho é pode enfrentar qualquer time no Brasil", disse o treinador.

Invicto há quatro jogos, com três vitórias, o Ceará abre a zona de rebaixamento, na 17ª colocação, com 27 pontos. Um resultado positivo no Sul aliado a um tropeço de Chapecoense, Botafogo, Bahia ou Vitória, tira o time dessa situação delicada, onde está há 22 rodadas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.