Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Ceará pode ser mais difícil para o Palmeiras que São Paulo e Grêmio, diz Dudu

Atacante pede concentração no duelo contra o time cearense, que tenta recuperação no Brasileiro

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 15h42

O atacante Dudu afirma que o jogo do Palmeiras diante do Ceará, domingo, no Pacaembu, pode ser mais difícil do que as partidas diante do São Paulo e o Grêmio – o time venceu as duas por 2 a 0 em São Paulo. “Espero um jogo difícil. Acho que pode ser mais difícil que São Paulo e Grêmio”, opinou o atacante em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira na Academia de Futebol. “O time melhorou muito com Lisca e está crescendo. A gente empatou com eles no primeiro turno. É um time que vai jogar muito fechado”, afirma Dudu.

O adversário de domingo está na zona de rebaixamento com 31 pontos. No último jogo, o Ceará empatou com o Botafogo por 0 a 0, em casa, e precisa pontuar fora de casa para continuar a luta contra a degola.

Dudu tem sido um dos destaques da grande fase do Palmeiras, líder do Brasileiro com três pontos de vantagem sobre o Internacional (59 a 56) e semifinalista da Libertadores. O jogador reconhece que o principal motivo de sua boa fase foi a chegada do técnico Luiz Felipe Scolari, com quem já havia trabalhado no Grêmio.

“Nós trabalhamos no Grêmio, onde fizemos um bom trabalho, e agora estamos no Palmeiras, repetindo algumas coisas. Desde a época do Grêmio, ele me ajudou muito. Mesmo quando ele estava na China, a gente se falava pelo celular”, revela o atacante.

Dudu é o líder de assistências do Campeonato Brasileiro, com dez passes para gol. Everton, do São Paulo, e Ricardo Oliveira, do Atlético-MG, estão em segundo lugar com seis. “O rendimento de todos os jogadores melhorou. Meus números cresceram. O Felipão dispensa comentários. Ele tem respaldo dos torcedores e diretoria. Ninguém questiona o trabalho e a decisão dele. Ele subiu a autoestima dos jogadores”, afirma o atacante.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.