André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Cedemos o máximo no Paulistão', afirma Del Nero

Torneio terá apenas 19 datas em 2014

Gonçalo Júnior, Agência Estado

30 de outubro de 2013 | 16h09

SÃO PAULO - Para se adequar aos pedidos dos jogadores, unidos em torno do Bom Senso FC, e ao calendário de 2014, mais enxuto por conta da Copa do Mundo no Brasil, o Paulistão do ano que vem terá apenas 19 datas, quatro a menos do que nas últimas temporadas. A competição começa no dia 18 de janeiro, uma semana depois do previsto, e terá sua partida decisiva em 13 de abril.

"Nós cedemos o máximo. Esse é o menor número de partidas que conseguimos realizar", disse o presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo de Nero, antecipando que a fórmula deverá ser mantida em 2015. "A redução das datas foi uma grande conquista para os clubes, mas não podemos parar por aí", opinou o presidente do Santos, Odílio Rodrigues.

Na primeira fase, o Paulistão terá quatro grupos, com os times jogando apenas com as equipes que estão nas outras chaves que não as suas. Nesta quarta-feira, junto com o conselho técnico, foi realizado o sorteio do torneio, mas a tabela oficial ainda não tem data para ser divulgada.

Já se sabe que as quartas de final começam no dia 26 de março, em partida única. Em caso de empate, haverá disputa por pênaltis. O regulamento não vai considerar as campanhas de cada time na fase de grupos como critério de desempate. As finais, disputadas em dois jogos, serão nos dias 6 e 13 de abril.

Embora tenha sido aprovada pelos clubes, a fórmula pode criar situações contraditórias. Uma equipe pode ser classificada para as quartas de final (e até campeã), mas, ao mesmo tempo, ser rebaixada dentro do seu grupo, uma vez que o rebaixamento considera a pontuação geral das equipes.

"A fórmula foi aprovada pelos clubes. Todos essas situações já foram previstas e analisadas", defendeu-se Marco Polo. "Será considerado o Campeão do Interior a melhor equipe do interior. Não haverá mais a disputa do torneio denominado Troféu do Interior", explicou o presidente.

A Federação Paulista de Futebol não definiu preço máximo para os ingressos, apenas o valor mínimo de R$ 40. "Estamos prontos para agir sobre determinados abusos, mas o valor máximo será definido pelos clubes", disse Del Nero.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPaulistãoBom Senso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.