Celso Roth reclama da má arbitragem

Houve unanimidade entre os santistas depois da derrota no clássico contra o Palmeiras, sábado à tarde: o time perdeu para o juiz Cléber Wellington Abade. Nos vestiários, Celso Roth sugeriu que a imprensa analise a arbitragem e os lances mais importantes do jogo e depois passou a enumerar as falhas. "O primeiro gol foi marcado numa falta que a gente achou que não existiu. No lance do pênalti, Munhoz estava atrás da zaga e acredito até que ele foi confundido com algum torcedor. Além disso, no primeiro tempo ele inverteu inúmeras faltas, sempre prejudicando o Santos. Foi uma arbitragem muito especial." Odvan saiu de campo inconformado. "Além do impedimento de Munhoz no lance do pênalti, os dois bandeirinhas prejudicaram o Santos. Quem ganhou o jogo não foi o Palmeiras, foi a arbitragem. Robert também não gostou do trabalho de Abade, mas acha que mesmo assim o resultado foi injusto para o seu time. "Merecíamos pelo menos o empate porque dominamos boa parte do segundo tempo. Pressionamos muito, mas infelizmente a bola não entrou."Apesar de achar que o juiz não deixou o Santos pelo menos empatar com o Palmeiras, Roth ficou satisfeito com o comportamento do seu time no segundo tempo. "O crescimento foi em razão de uma alteração que fizemos. Com a entrada de William, ficamos com dois atacantes - o outro foi Oséas - jogando em cima dos dois zagueiros adversários e Luxemburgo foi obrigado a colocar um jogador (Fernando) na sobra, deixando Robert mais liberado. Tiramos o Diego porque, embora ele seja um jogador habilidoso e de muita qualidade, desta vez não deu certo", concluiu o técnico santista. Para Celso Roth, o clássico começou bem mais cedo. Quando o ônibus Baleia VII, com a delegação santista, chegou ao Parque Antártica, o técnico já foi recebido com o coro burro, burro pela torcida do Palmeiras. Depois, enquanto conversava com os seus jogadores no vestiário, o seu nome foi anunciado nos alto-falantes do estádio e os torcedores voltaram a gritar ofensas. Em compensação, a maioria dos jogadores do seu ex-time e o técnico Vanderlei Luxemburgo foram cumprimentá-lo antes do início da partida. Fábio Costa não concorda que tenha falhado no gol de Alex e até elogiou o meia pela habilidade que demonstrou na cobrança, mas preferiu ver o lance por um outro ângulo. "Mais uma vez o Santos foi prejudicado pela arbitragem. Léo foi normal para o lance e o juiz resolveu marcar, ´ver´ falta", disse o goleiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.