Divulgação
Divulgação

Ceni não deve se despedir da torcida contra o Figueirense

Goleiro ainda sente dores e não treinou nesta quinta-feira

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2015 | 12h37

O goleiro do São Paulo, Rogério Ceni, não treinou nesta quinta-feira e tem poucas chances de enfrentar o Figueirense, no sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. A partida é a última chance do jogador de 42 anos disputar um jogo oficial no estádio do clube antes de se despedir do futebol, mas a possibilidade dele estar em campo é reduzida, pois com um ruptura do tendão tíbio-fibular, o capitão deve ser desfalque.

Ceni se lesionou no dia 28 de outubro, durante partida com o Santos, na Vila Belmiro, pela semifinal da Copa do Brasil. Desde então, Dênis tem atuado como titular. O goleiro de 42 anos tem feito tratamento intensivo para se recuperar do problema, mas só conseguiu ir a campo para treinar nesta quarta-feira. Ainda assim, Ceni trabalhou por pouco tempo, sentiu dores e retornou ao departamento médico.

O clube espera que na sexta-feira pela manhã o goleiro possa ter condições de retornar a atuar. O time faz o último trabalho antes da partida no CT da Barra Funda e, caso Ceni não se recupere, voltaria ao São Paulo apenas na rodada seguinte, contra o Goiás, no Serra Dourada, no encerramento do Campeonato Brasileiro. A expectativa da diretoria era ter o goleiro em campo contra o Figueirense, para realizar ações de marketing de despedida dele.

"O Rogério tem tentado, tem feito tudo o que é possível, mas não consegue treinar como é necessário depois de 28 dias de recuperação. Por isso, acho que não joga. Nosso trabalho agora é para que ele jogue contra o Goiás no Serra Dourada", disse o médico do São Paulo, José Sanches, em entrevista para a rádio Bradesco Esportes.

O jogador de 42 anos vai se aposentar do futebol ao fim da temporada. O São Paulo confirmou a realização de um jogo de despedida dele para o dia 11 de dezembro. O amistoso vai reunir campeões mundiais pelo clube em 1992 e 1993 contra a equipe vencedora em 2005. Os ingressos para os são-paulinos que não são participantes do programa de sócio-torcedor variam de R$ 90 até R$ 320.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.