Rubens Chiri|São Paulo FC|Divulgação
Rubens Chiri|São Paulo FC|Divulgação

Ceni lamenta tropeço do São Paulo no fim e vai conversar com jogadores

Situação quase idêntica já havia acontecido contra o Mirassol

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2017 | 23h02

Depois de novamente ver a vitória escoar nos últimos minutos, o técnico Rogério Ceni promete ter uma conversa com os jogadores do São Paulo para evitar novos tropeços. Neste sábado, o time vencia o Novorizontino por 2 a 0, mas acabou sofrendo o empate no final. Situação quase idêntica já havia acontecido contra o Mirassol.

"Fomos ceder o empate já nos acréscimos, em uma jogada que nasceu em um passe errado nosso, infelizmente. A gente fica triste, é lamentável. Aqui o gramado é muito bom, pena que choveu e deixou ele muito pesado e escorregadio. Talvez se tivesse um gramado melhor, a gente teria um controle maior do jogo. Como faltou contra o Mirassol e sobrou contra o Santos", explicou.

O técnico já vem mostrando um certo incômodo com os problemas defensivos do São Paulo e mais uma vez o time pecou atrás. No primeiro tempo, até teve segurança e o goleiro Denis praticamente não trabalhou. Mas na etapa final, o zagueiro Breno caiu de rendimento e acabou fazendo o pênalti do primeiro gol do Novorizontino, depois perdendo no jogo aéreo no segundo gol.

"O Breno estava muito bem no jogo. O pênalti é muito instintivo. Ele fez um jogo muito firme no primeiro tempo, acho que ele cansou. Aí você fica jogando mais no chão do que em pé. A conversa não será só com ele, será com todos. Nós perdemos nos 20 minutos finais. Isso não é uma novidade. Tanto o Breno quanto o Lugano foram bem", comentou Ceni.

Para o duelo com o Novorizontino, o treinador escalou um time praticamente reserva, dando descanso para muitos titulares, como Sidão, Maicon, Cueva, Pratto, Rodrigo Caio e o suspenso Cícero. Tudo pensando na partida de quarta-feira pela segunda fase da Copa do Brasil, contra o PSTC, em Londrina.

"As mudanças eram necessárias, pois os jogadores estavam muito cansados. O que muda é o entrosamento, mas isso não é o responsável pelo resultado. Não conseguimos nos comportar bem no campo. Independentemente dos titulares, também sofremos com o Mirassol. Não é culpa. Muito mérito de fazer o 2 a 0, mas temos de ter um modo melhor de nos posicionar quando fizermos a vantagem", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.