Alexandre Vidal / Flamengo
Alexandre Vidal / Flamengo

Ceni pede para juiz encerrar jogo e vê Flamengo abalado psicologicamente

Técnico reclamou dos seis minutos de acréscimos dados pelo juiz Wilton Pereira Sampaio

Redação, Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2020 | 01h02

A queda do Flamengo nas quartas de final da Copa do Brasil para o São Paulo ficou marcada por uma reclamação inusitada. Com o time perdendo por 3 a 0 no Morumbi, um placar que somou aos 2 a 1 sofridos no Maracanã, o técnico Rogério Ceni criticou o árbitro Wilton Pereira Sampaio pelos seis minutos de acréscimos aplicados ao fim do segundo tempo.

"Meu time sem chance de ganhar, desgastado e você dando esse tempo todo de desconto agora", afirmou Ceni, em áudio captado pela transmissão do jogo na TV, quando sua equipe precisaria de quatro gols para levar o confronto para a disputa de pênaltis.

O Flamengo estava cheio de desfalques para o duelo com o São Paulo, casos do zagueiro Rodrigo Caio, do lateral-esquerdo Filipe Luis, do volante Thiago Maia, do meia Diego, e dos atacantes Gabigol e Pedro. Entre os jogadores convocados por seleções, o chileno Isla ficou fora da partida, enquanto Everton Ribeiro foi acionado na etapa final.

Após o confronto, Ceni avaliou que o Flamengo foi superior no primeiro tempo, que terminou sem gols. Mas apontou que o desgaste físico atrapalhou sua equipe no Morumbi, assim como o aspecto psicológico, abalado, em sua visão, a partir do momento em que o São Paulo abriu o placar.

"Foi um jogo muito parecido com o do Maracanã. O Flamengo dominou o primeiro tempo e teve oportunidades. Infelizmente, o momento faz com que a bola passe próxima do gol e não entre. Na primeira oportunidade do São Paulo, saiu o gol. Aí entra o lado psicológico que acaba atrapalhando todo o esforço e o desgaste, por tudo que temos enfrentado", disse.

O Flamengo ainda não venceu sob o comando de Ceni, que perdeu os dois jogos contra o São Paulo pela Copa do Brasil e empatou com o Atlético Goianiense, no fim de semana, pelo Campeonato Brasileiro. O time volta a jogar no sábado, diante do Coritiba, no Maracanã, antes de visitar o Racing, terça-feira, pela Copa Libertadores. "Não só tem como recuperar o elenco para a Libertadores, como faremos. Mas o maior problema está na cabeça. Precisamos recuperar isso. Sofremos dois gols parecidos e o time sente muito", avaliou Ceni.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.