Divulgação
Divulgação

Ceni se recusa a falar sobre candidatura de desafeto no São Paulo

'Não tenho absolutamente uma frase para citar sobre esse senhor'

CIRO CAMPOS, Estadão Conteúdo

16 de outubro de 2015 | 15h45

O goleiro Rogério Ceni se recusou nesta sexta-feira a comentar sobre a candidatura do antigo desafeto, Paulo Amaral, à presidência do São Paulo. Os dois tiveram um desentendimento em 2001 e agora o dirigente tenta retornar ao clube na eleição do dia 27 de outubro, como o possível adversário de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que ocupa o cargo interinamente.

"Não tenho absolutamente uma frase para citar sobre esse senhor", limitou-se a dizer Rogério Ceni durante entrevista coletiva nesta sexta-feira. O jogador participou no CT da Barra Funda do evento para lançamento da camisa alternativa do clube, na cor bordô para os atletas de linha e grafite para o goleiro. O uniforme foi produzido pela Under Armour e a estreia será contra o Vasco, no próximo domingo, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro.

Paulo Amaral presidiu o São Paulo por dois anos e em 2001, chegou a afastar o goleiro por 28 dias do clube. O dirigente afirmou que Rogério Ceni havia falsificado um documento para apresentar uma proposta do Arsenal, da Inglaterra. Semanas depois, o jogador provou inocência no caso e foi reintegrado ao elenco. Amaral perdeu a disputa para a reeleição em 2002 por apenas dois votos para Marcelo Portugal Gouvêa.

O ex-presidente deve oficializar a candidatura na próxima terça-feira para disputar com Leco o comando do mandato interino, válido até abril de 2017, quando terminaria gestão de Carlos Miguel Aidar, que renunciou na última terça. "Espero que o Leco possa continuar esse mandato e que os próximos anos sejam melhor para o São Paulo na parte administrativa", disse Ceni.

O goleiro ressaltou ainda a oportunidade de poder vestir um uniforme inédito pelo clube antes de se aposentar. "O São Paulo é um clube tradicionalista e que tem ao longo desses 80 anos duas camisas. Pela primeira vez se faz uma camisa alternativa, acho que é importante. É algo da modernidade do futebol e pode trazer benefícios financeiros para o clube", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.