Érico Leonan/São Paulo FC/Divulgação
Érico Leonan/São Paulo FC/Divulgação

Ceni vê elenco com 29 jogadores como ideal e projeta cortes no São Paulo

Atualmente, time tricolor é composto por 34 atletas

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2017 | 12h59

Reduzir o elenco do São Paulo para a sequência da temporada é um dos desejos do técnico Rogério Ceni, que vê a possibilidade de aumentar o rendimento do trabalho com um grupo mais enxuto. Com 34 jogadores no plantel atualmente, o treinador estima que o ideal seja ter até cinco atletas a menos para a disputa do Campeonato Brasileiro e da Copa Sul-Americana.

"Sempre deixo os goleiros à parte porque é uma posição que trabalha separado, nesse momento são quatro. Acredito que você possa trabalhar com 25 jogadores (na linha), contando sempre com um percentual lesionado ou suspenso e trabalhando também com atletas das categorias de base. Então, penso em 29 jogadores para que eles se sintam motivados e a gente possa dar atenção maior para todos no dia a dia", projeta.

Ir ao mercado em busca de reforços não está no planejamento do time tricolor para o início do Campeonato Brasileiro, mas Ceni estudará a possibilidade em caso de um nome de peso. "Devemos diminuir um pouco esse elenco antes do início do Brasileiro. Se existir possibilidade de algum reforço que seja alguém de impacto, a gente estuda o caso. Senão esse é o elenco que nós temos."

A restrição orçamentária fez o São Paulo apostar em um elenco jovem desde o início da temporada. "Penso que um clube tem de ter espinha dorsal com jogadores mais experientes e rodados, que dão a base para você trabalhar. Quando você não tem possibilidade de ter qualquer atleta com as características que você gostaria, tenta achar nas categorias de base. Leva um pouco mais de tempo para formá-lo e colocar no dia a dia, mas é uma alternativa que é sempre bem-vinda, a longo prazo traz retorno financeiro ao clube e economia momentânea", afirma Ceni.

E o treinador indica que o intercâmbio de jogadores da base deve continuar. "Alguns voltam para a categoria de base, outros vem, a gente vai podendo observar cada jogador. O dia que a gente precisar de uma peça para determinada posição, já tem noção do que esse jogador pode produzir."

Luiz Araújo, Junior Tavares e Araruna são alguns dos jovens talentos vindos de Cotia que se firmaram no Tricolor, alguns garotos, por outro lado, podem perder espaço na equipe principal. Na última quarta-feira, o goleiro Lucas Perri, o zagueiro Militão, os meias Shaylon e Lucas Fernandes e o atacante Léo Natel, que já trabalham com Rogério Ceni, reforçaram o time sub-20 na Copa do Brasil da categoria.

Quem também está ameaçado é Neílton depois de ter dificuldade de adaptação no São Paulo. A equipe ainda estuda o que fazer com o atacante, que foi envolvido em uma troca com o Cruzeiro pelo volante Hudson até o fim da temporada. "Ele vem treinando melhor nos últimos dias, tentando se adaptar ao que a gente quer. Ele teve as suas oportunidades e talvez não tenha tido o desempenho que a gente esperava, mas é jogador que tem bastante talento individual", diz o técnico.

A permanência de Lugano, que tem contrato até 30 de junho, também continua indefinida. "Vamos conversar. Até 30 de junho vai o contrato do Lugano, a diretoria também tem de passar uma posição. É um jogador de muita importância, principalmente pela liderança, pela postura que ele tem no dia a dia."

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo FCRogério CeniFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.