Peter Powell/Reuters
Peter Powell/Reuters

CEO da Premier League diz que Black Lives Matter é uma causa moral, não política

Quando a liga recomeçou, todos os jogadores tinham a mensagem antirracista nas camisas em vez de seus nomes e continuaram a se ajoelhar antes do início das partidas em apoio ao movimento

Reuters, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2020 | 10h21

O presidente-executivo da Premier League, Richard Masters, defendeu a decisão coletiva de jogadores e clubes que disputam o Campeonato Inglês de apoiar o movimento Black Lives Matter, descrevendo-o como uma causa moral e não política.

Quando a liga recomeçou este mês após uma paralisação de três meses causada pela pandemia de coronavírus, todos os jogadores tinham “Black Lives Matter” nas camisas de seus uniformes em vez de seus nomes na rodada de abertura e continuaram a se ajoelhar antes do início das partidas em apoio ao movimento.

“Os jogadores estão acostumados a ser portadores de mensagens de outras pessoas e nesta ocasião eles queriam fazer duas declarações muito claras como jogadores, apoiados pela Premier League e pelos clubes: Agradecendo ao NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) ... e também reconhecendo os problemas que estão acontecendo em todo o mundo, apoiando o sentimento do Black Lives Matter”, afirmou Masters em uma audiência do Comitê Digital de Cultura, Mídia e Esportes do Parlamento britânico, realizada na última terça-feira.

“Nós ouvimos e estamos felizes em apoiá-los”, disse. “Não acho que isso estabeleça nenhum precedente em particular. Acho perfeitamente possível apoiar o sentimento do Black Lives Matter sem ser visto como apoiador de nenhuma organização política”, afirmou. “Somos uma organização apolítica - não apoiamos organizações políticas.”

“Estamos traçando uma clara distinção entre uma causa moral e um movimento ou agenda política. Embora possa haver uma dificuldade em separar os dois, nossa posição é clara: política não, causas morais sim - quando acordadas”, disse Masters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.