Cerca de mil pessoas acompanham o treino da seleção

Os gritos que vinham do lado de fora do Estádio Morenão sensibilizaram os organizadores do treino da seleção brasileira. Aos 15 minutos da atividade realizada nesta segunda-feira - a primeira do time de Dunga na capital sul-mato-grossense -, todos os que se espremiam em busca de uma frestinha nos portões tiveram a chance de ver os ídolos bem de pertinho. O trabalho, que seria fechado, foi acompanhado por cerca de mil pessoas.

AMANDA ROMANELLI E MARCIUS AZEVEDO, Agencia Estado

12 de outubro de 2009 | 19h06

O alvo principal dos torcedores era, claro, Kaká. E os gritos, basicamente femininos. O jogador, sempre simpático, deu vários acenos enquanto corria em volta do gramado. Elano, que lhe acompanhava no exercício, pegou carona e também deu atenção à galera. O goleiro Julio Cesar fez o mesmo quando teve o nome lembrado, assim como Luís Fabiano. Até o auxiliar Jorginho ganhou aplausos quando se aproximou do banco de reservas.

Dunga organizou um trabalho leve, tanto para Kaká, Gilberto Silva e Luís Fabiano, que não enfrentaram a Bolívia, quanto para os que encararam a altitude de La Paz. O clima em Campo Grande era bastante agradável. Mas o técnico brasileiro estava preocupado com o gramado do Morenão. Choveu muito na cidade, desde a madrugada até o início da tarde.

"Sem dúvida, um campo ruim nos atrapalha. Toda vez que o gramado era rápido, com grama curta, a seleção foi bem", disse Dunga. Apesar da ampla reforma do piso, o time brasileiro trabalhou normalmente e não deve encontrar problemas.

Adriano foi a ausência no treino desta segunda-feira, mas deve aparecer nesta terça, no último treino antes do jogo contra a Venezuela. Depois de uma dividida na derrota por 2 a 1 para a Bolívia, no domingo, o atacante do Flamengo levou quatro pontos no tornozelo esquerdo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.