Ronald Wittek / EFE
Ronald Wittek / EFE

Chá de cadeira dos brasileiros irrita jornalistas estrangeiros

Jogadores da seleção brasileira demoram para dar entrevista e causam irritação na imprensa internacional

Almir Leite, enviado especial/Sochi, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 22h16

“Por que eles demoram tanto para vir para a área de entrevistas?”. Essa tem sido a pergunta mais frequente na zona mista, como é chamado o local onde os jogadores das seleções que disputam a Copa do Mundo conversam com os jornalistas.

+ Contra a Bélgica, Brasil jogará pela 4ª vez com camisa amarela

+ Sérvio que apitou final da Liga dos Campeões será árbitro de Brasil x Bélgica

+ Quais seleções mais se destacaram na Copa do Mundo até o momento?

“Eles”, no caso, são os atletas da seleção brasileira. O questionamento é feito por repórteres estrangeiros de todas as partes – Estados Unidos, países da Ásia, europeus – que acompanham a equipe treinada por Tite, inconformados com o tempo de espera. Terminadas as partidas, os atletas têm levado cerca de duas horas até dar as caras no local.

A explicação dada não convence. A demora acontece porque como os jogadores viajavam da cidade em que estavam para o quartel-general em Sochi, horas depois do encerramento da partida, jantam no vestiário antes de falar com a imprensa. “Mas o jantar precisa levar duas horas?”, questionou um israelense.

A demora também incomoda os jornalistas brasileiros, que acabam precisando trabalhar madrugada adentro, pelo horário russo. Eles reclamam, mas esperam firmes pela passagem dos jogadores – muitos se recusam a dar entrevista. 

A maioria dos estrangeiros, por outro lado, acaba desistindo. Argumentam que nenhuma seleção demora tanto para aparecer. Há até quem considere uma falta de respeito com o trabalho dos outros. 

A assessoria da CBF já prometeu encurtar a espera. Na sexta-feira, após o jogo com a Bélgica, se a seleção se classificar, vai viajar ainda no fim da noite até São Petersburgo, local da semifinal na terça-feira. Já há quem aposte que o tempo ocioso na zona mista vai bater recorde.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.