Chamusca: crescemos nas adversidades

Se o São Caetano terá dificuldades maiores que os rivais para conseguir os objetivos de chegar à Taça Libertadores ou até mesmo ao título, nesta reta final do Campeonato Brasileiro, o técnico Péricles Chamusca não pretende utilizar este fato como desculpa. Pelo contrário, o técnico prefere ressaltar que é nas situações adversas que seu time tende a crescer. "É nas adversidades que temos que nos superar se quisermos chegar longe. Adversários difíceis não podem ser empecilho na campanha de um título, por exemplo", ressaltou o treinador, lembrando que seu próximo adversário será o Atlético-PR, no campo do adversário, que é líder da competição. Para chegar à Libertadores, com segurança, o time do ABC Paulista terá que vencer duas de suas três últimas partidas e chegar aos 83 pontos, mas para isso terá que derrotar os líderes na tabela. O primeiro desafio do time de Chamusca será vencer o Atlético-PR na Arena da Baixada, o que ninguém faz desde o dia 16 de junho, quando o Vitória aplicou 3 a 1 no time paranaense. Na penúltima rodada, o jogo será em casa, mas o adversário é nada menos do que o Santos, vice-líder. Na rodada derradeira, o time vai à Belo Horizonte enfrentar o Atlético-MG, que luta de forma desesperada contra o rebaixamento. Com 77 pontos, o titulo a inda é sonho no São Caetano, que teria que vencer todas estas partidas. Para Chamusca, o fato pode ser até utilizando favoravelmente no emocional dos jogadores. "Se nós os vencermos (Santos e Atlético-PR), que são adversários diretos, o caminho para o título fica mais fácil e é assim que vamos pensar nestas partidas", explicou. Fora as dificuldades naturais da competição, o São Caetano enfrenta uma forte pressão extra-campo devido ao caso da morte do zagueiro Serginho. O clube vive a expectativa do resultado dos processos que correm nas Justiças Desportiva e Comum, envolvendo o clube, o presidente Nairo Ferreira e o médico Paulo Forte. Com relação ao time, o atacante Fernando Baiano não treinou nesta tarde sentindo dores musculares. Se for vetado, Euller entra em seu lugar. O zagueiro Gustavo cumpriu suspensão automática e deve voltar no lugar de Marcos Aurélio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.