Chamusca não perde o otimismo

O técnico do São Caetano, Péricles Chamusca, classificou como lamentável a punição imposta pela 1ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na madrugada de hoje, que tirou 24 pontos da equipe paulista por causa da morte do zagueiro Serginho. O treinador, porém, disse estar otimista na competência do advogados do clube para reverter a situação na próxima semana, quando o caso será julgado pelo tribunal pleno (última instância), presidido pelo desembargador Luiz Zveiter. Chamusca recebeu a notícia hoje pela manhã no Rio, onde participa do 1.º Fórum Internacional de Futebol, evento que reúne os melhores técnicos do futebol brasileiro, realizado no Hotel Sheraton, em São Conrado, na zona sul do Rio. Não parecia estar abalado. Sorridente, adotou um discurso otimista para as duas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro. Lembrou também que nada apagará o trabalho do elenco durante a competição. "O nosso sentimento de trabalho realizado, de dever cumprido, da consciência de ter feito o melhor, não ficará em branco. Essa questão jurídica está muito bem assistida pelo Departamento Jurídico e pela diretoria", declarou o técnico do São Caetano, que vai se reunir amanhã com os jogadores antes do início do treino. O tema da conversa será bem objetivo, segundo o treinador, que espera um bom jogo contra o Santos, domingo, no Estádio Anacleto Campanella. "Temos que continuar fazendo a nossa parte dentro de campo, para quando a diretoria recuperar os pontos, a equipe se manter na zona de classificação para a Taça Libertadores". Chamusca acredita que a retirada dos pontos vai unir ainda mais o grupo do São Caetano, que, segundo ele, superou com garra o maior desafio nesta temporada: a perda do amigo Serginho. "Não vai haver desmotivação. O elenco está bem consciente de que não se pode se envolver com as questões fora de campo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.