Chance do Guarani escapar é pequena

Mesmo faltando 11 rodadas para o término do Campeonato Brasileiro da Série A, o lanterna Guarani está virtualmente rebaixado. Os mesmos números frios que ainda alimentam as esperanças de torcedores, jogadores e dirigentes, praticamente condenam o time a disputar a Série B em 2005.Depois da derrota para o Atlético-MG, por 3 a 2, em Belo Horizonte, o clube campineiro permaneceu com apenas 31 pontos, agora sete pontos atrás do Flamengo, o vigésimo colocado e livre da zona do descenso. Esta diferença exige do Guarani três vitórias apenas para se livrar das últimas posições. As previsões matemáticas são de que um time para permanecer na elite nacional vai precisar, pelo menos, de 52 pontos.Neste caso, o Guarani ainda necessita somar mais 21 pontos, representado por sete vitórias ou então cinco vitórias e seis empates. São metas surrealistas. Teria que esquecer a média de 30% de aproveitamento em 35 jogos para chegar aos 65%. Uma missão impossível: o lanterna teria que obter o mesmo aproveitamento do Atlético-PR, atual líder da competição. Outro detalhe importante: é difícil acreditar que o Guarani vencerá sete vezes em 11 jogos se em 35 rodadas conseguiu apenas seis vitórias.Ainda alicerçado em números, os bugrinos sonham em ficar na Série A , mas esquecem dos comprometedores números negativos acumulados até o momento. É o pior ataque, com 29 gols (a Ponte tem 31); só venceu seis vezes (Grêmio, Atlético-MG e Botafogo ganhara m oito vezes). Seu saldo de gols é de menos 17, sendo menos ruim do que Ponte Preta (-20) e Paraná (-22).Segundo Tristão Garcia, matemático residente em Porto Alegre (RS), o Guarani tem agora 93% de chances de cair. Outro site, chamado Chance de Gol, também é implacável: 92,6%.O presidente José Luiz Lourencetti é um dos poucos que ainda acredita na reação. Quinta-feira ele completou 60 anos e garante que não está desgastado ou envelhecido por causa do clube. "O tempo não perdoa ninguém, mas o Guarani é minha paixão desde menino". No cargo desde 1999 e reeleito até 2007, o dirigente garante que não pretende renunciar mesmo em caso de rebaixamento.Diante deste quadro negativo, ficar imaginando que o Guarani ainda escapa da Série B é complicado. O melhor parece pensar no futuro e trabalhar para que o Guarani volte aos tempos de glória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.