Marcelo Malaquias/EC Bahia
Marcelo Malaquias/EC Bahia

Chapecoense bate Bahia, almeja Libertadores e praticamente encerra sonho de rival

Equipe catarinense se aproxima do G-7 após vitória por 1 a 0, na Arena Fonte Nova

Estadão Conteúdo

26 Novembro 2017 | 21h58

Com a derrota para a Chapecoense por 1 a 0, neste domingo, em Salvador, pela 37.ª e penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, o Bahia praticamente deu adeus à luta por uma vaga na Copa Libertadores de 2018. Embora exista uma remota chance de ir à competição continental em caso de vitória na rodada final e o Brasileirão abrir um G-9 no caso de o Grêmio ganhar a Libertadores deste ano e o Flamengo faturar a Copa Sul-Americana, o time tricolor soteropolitano deixou o campo debaixo de vaias de parte dos cerca de 35 mil torcedores que compareceram à Arena Fonte Nova, decepcionados com a derrota para o rival catarinense.

+ TEMPO REAL - Bahia 0 x 1 Chapecoense

+ Após um ano, sobreviventes e familiares tentam entender o que aconteceu

O Bahia sofreu a segunda derrota seguida na competição e estacionou nos 49 pontos, caindo para a 11.ª colocação. Já a Chapecoense chegou ao nono jogo de invencibilidade, subiu para o nono lugar na tabela, agora com 51 pontos, e ainda sonha com uma vaga na Libertadores, pois está apenas dois pontos atrás do G-7 (zona de classificação ao torneio continental), que neste domingo passou a ser fechado pelo Vasco.

Na última rodada do Nacional, o time baiano jogará contra o São Paulo, que também está com 49 pontos, ocupa o 12º lugar e da mesma forma alimenta uma remota esperança de se classificar para a fase de grupos da Libertadores em caso na abertura de um G-9. O duelo será no Morumbi. Já a Chapecoense receberá o Coritiba na Arena Condá, em Chapecó. Os dois jogos serão disputados no próximo domingo, às 17 horas.

O primeiro tempo na Arena Fonte Nova foi bastante movimentado. Logo aos três minutos, o atacante Wellington Paulista exigiu grande defesa de Jean em chute de bico. O Bahia respondeu com o meia Zé Rafael, que recebeu passe de Vinícius e soltou a bomba pela linha de fundo.

O goleiro tricolor voltou a trabalhar em chute forte de Apodi, espalmando a bola pela linha de fundo. O Bahia esboçou uma pressão a partir da segunda metade do primeiro tempo.

Mas quem marcou foi a Chapecoense, aos 44 minutos, quando Jandrei chutou a bola para o campo de ataque, a zaga adversária vacilou e Canteros cruzou rasteiro. Wellington Paulista apenas completou para as redes.

Empurrado pela torcida, o Bahia voltou do intervalo com tudo em busca do empate. Mendoza aproveitou falha da defesa e cabeceou forte, mas parou em grande defesa de Jandrei.

Aos sete, Renê Júnior cabeceou e a bola acertou o braço de Douglas Grolli. A arbitragem marcou pênalti. O atacante Edigar Junio, artilheiro do time na competição, foi para a cobrança, mas acertou a trave de Jandrei.

O Bahia seguia tentando o empate de todas as maneiras, mas viu a situação ficar mais complicada aos 39 minutos, quando Zé Rafael recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

A Chapecoense quase matou o jogo nos acréscimos. Wellington Paulista chutou forte e Jean espalmou com as pontas dos dedos. Aos 47 minutos, Eduardo cruzou e Hernane subiu livre, mas a cabeçada saiu pela linha de fundo. Era a última chance do empate.

FICHA TÉCNICA

BAHIA 0 X 1 CHAPECOENSE

BAHIA - Jean; Eduardo, Tiago, Tiago Martins e Juninho Capixaba; Renê Júnior (Hernane), Allione (Régis), Zé Rafael, Vinícius (Edson) e Mendoza; Edigar Júnio. Técnico: Paulo César Carpegiani.

CHAPECOENSE - Jandrei; Apodi, Douglas, Douglas Grolli e Reinaldo; Amaral, Canteros, Elicarlos (Fabrício Bruno), João Pedro (Nadson) e Luiz Antonio (Moisés Ribeiro); Wellington Paulista. Técnico: Gilson Kleina.

GOL - Wellington Paulista, aos 44 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - Péricles Bassols Pegado Cortez (PE).

CARTÕES AMARELOS - Eduardo e Mendoza (Bahia); Douglas Grolli, Reinaldo e Amaral (Chapecoense).

CARTÃO VERMELHO - Zé Rafael (Bahia).

RENDA - R$ 1.076.353,00.

PÚBLICO - 35.437 pagantes.

LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.