Sirli Freitas / Chapecoense
Sirli Freitas / Chapecoense

Chapecoense busca reação na casa do Nacional-URU para avançar na Libertadores

Time catarinense precisará superar desfalques de jogadores expulsos para reverter vantagem dos uruguaios

Estadão Conteúdo

07 de fevereiro de 2018 | 07h50

Depois de ser derrotada por 1 a 0 para o Nacional-URU em um jogo duro na Arena Condá, em Chapecó (SC), a Chapecoense vai precisar se superar para avançar à terceira fase eliminatória da Copa Libertadores. Nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), o time catarinense vai reencontrar os uruguaios para definir o futuro no torneio, em jogo válido pela rodada de volta da segunda fase, no estádio Parque Central, em Montevidéu.

+ Com grande vantagem, Vasco recebe chilenos para avançar na Copa Libertadores

+ Clubes fazem 'marketing de guerrilha' para garantir patrocínios na crise

Diante deste cenário, a equipe alviverde precisa de uma vitória por dois ou mais gols de diferença para conseguir a classificação direta. Enquanto isso, um triunfo simples ou qualquer empate garante a vaga para o Nacional-URU. Uma novo 1 a 0, desta vez para o lado brasileiro, é o único resultado que leva a decisão para os pênaltis.

A derrota em casa no primeiro jogo fez com que a comissão técnica da Chapecoense tomasse algumas precauções para a partida decisiva. No domingo passado, o treinador Gilson Kleina poupou uma série de titulares na derrota por 1 a 0 para o Hercílio Luz, em partida na qual o time perdeu a invencibilidade no Campeonato Catarinense.

Apesar do cuidado, Gilson Kleina vai ter desfalques. O lateral-direito Eduardo e o atacante Perroti estão suspensos por terem sido expulsos no primeiro jogo e ficam de fora, assim como o volante Canteros, lesionado. Em compensação, vai voltar a contar com o volante Moisés Ribeiro e com o atacante Arthur Caíke.

Do lado uruguaio, a baixa fica por conta do lateral-esquerdo Espino, expulso em Chapecó. O número de expulsões mostra como o clima da partida foi tenso, inclusive nas arquibancadas, com os gestos de torcedores uruguaios imitando um avião em referência ao acidente aéreo sofrido por profissionais do time brasileiro em 2016.

O episódio revoltou a diretoria catarinense, que chegou a pedir que a Conmebol excluísse o Nacional-URU da Libertadores. Desde então, os rivais vêm tentando amenizar a repercussão. Inclusive, um dos torcedores pediu desculpas publicamente pelo gesto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.