Rodrigo Ceregatti/Divulgação
Rodrigo Ceregatti/Divulgação

Chapecoense e Ponte empatam e seguem sem vencer no 2º turno

Times continuam na luta para não entrar na zona de rebaixamento

Estadão Conteúdo

06 de setembro de 2015 | 13h29

A Chapecoense interrompeu a série de três derrotas consecutivas ao empatar com a Ponte Preta, por 0 a 0, neste domingo, na Arena Condá, pela 23.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado deixou os dois times em posições parecidas na tabela. O time catarinense tem 29 pontos, em 12.º, enquanto o time paulista soma 28, em 14.º lugar. Ao final, a torcida vaiou e xingou o time da casa.

Em tese o empate foi bom para os dois times, que somaram um ponto na luta contra o descenso. Mas acabou sendo pior para a Chapecoense, que atuou em casa e tentava superar as derrotas para Coritiba, por 1 a 0, Corinthians e Santos, ambas por 3 a 1. Nos últimos quatro jogos, portanto, em 12 pontos disputados, só somou um. A Ponte Preta vinha de duas derrotas consecutivas, contra o São Paulo, por 3 a 0, no Morumbi, e diante do Cruzeiro, por 2 a 1, no Moisés Lucarelli.

Para se defender a possível pressão catarinense, o técnico Doriva armou a Ponte Preta bastante cautelosa. Escalou três volantes - Josimar, Juninho e Elton - e mesmo com três atacantes, só deixava Cesinha isolado na frente. Além disso, Felipe Azevedo ficou com a missão de acompanhar o lateral-direito Apodi, considerado "peça-chave" do time da casa.

Mas foi dos pés de Apodi que saiu a melhor chance da Chapecoense, aos 12 minutos do primeiro tempo. Ele fez o levantamento e Bruno Rangel cabeceou para baixo. A bola tocou no pé da trave e voltou para Tiago Luis que mandou o rebote para fora. A Ponte estava muito recuada, mas também assustou na frente aos 31 minutos em um chute de longe de Diego Oliveira, que Danilo espalmou com a mão trocada. O goleiro também salvou uma cabeçada do zagueiro Ferron, aos 46 minutos, que subiu e iria cair no ângulo.

A situação piorou para o time mandante no segundo tempo, quando sentiu mais o desgaste físico do que o visitante. E ainda recebeu vaias de sua torcida, inconformada com o fraco desempenho, principalmente porque na rodada anterior o técnico Vinícius Eutrópio poupou cinco jogadores contra o Santos, para priorizar este duelo contra o time paulista, adversário direto na luta contra o descenso. Mas acabou perdendo na Vila Belmiro, por 3 a 1, e não venceu na sua volta para casa.

Se Tiago Luis, em chute de fora da área, exigiu boa defesa de Marcelo Lomba, aos 18 minutos, as melhores chances para marcar foram da Ponte Preta. Os lances perigosos foram aos 28 minutos, em chute cruzado de Diego Oliveira, que "tirou tinta" da trave, e aos 33, quando Elton invadiu a área e Danilo desviou a bola que tinha endereço certo para as redes.

Assim, o jogo acabou mesmo em 0 a 0. Na próxima quarta-feira, pela 24.ª rodada, a Chapecoense vai fazer um duelo catarinense com o Joinville, na arena adversária, às 21 horas, enquanto a Ponte Preta receberá o lanterna Vasco, às 19h30, no Moisés Lucarelli.

FICHA TÉCNICA:

CHAPECOENSE 0 X 0 PONTE PRETA

CHAPECOENSE - Danilo; Apodi, Rafael Lima, Neto e Dener; Eli Carlos, Bruno Silva (Maranhão), Camilo (Túlio de Melo) e Cléber Santana; Tiago Luís (Flavinho) e Bruno Rangel. Técnico: Vinícius Eutrópio.

PONTE PRETA - Marcelo Lomba; Rodinei, Renato Chaves, Ferron e Gilson; Josimar, Juninho e Elton; Felipe Azevedo (Bady), Cesinha (Clayson) e Diego Oliveira (Fábio Ferreira). Técnico: Doriva.

ÁRBITRO - Cleisson Veloso Pereira (MG).

CARTÕES AMARELOS - Flavinho (Chapecoense). Gilson e Felipe Azevedo (Ponte Preta).

RENDA - R$ 59.890,00.

PÚBLICO - 5.228 (total).

LOCAL - Arena Condá, em Chapecó (SC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.