Sebastien Nogier/EFE
Sebastien Nogier/EFE

Chapecoense ganha o prêmio Laureus como o Melhor Momento do Ano

Equipe catarinense é a mais votada em júri popular pela reação após a tragédia aérea de novembro de 2016

Daniel Batista, enviado especial a Mônaco, O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2018 | 16h57

A Chapecoense ganhou o prêmio de Melhor Momento do Esporte Laureus nesta terça-feira, em Mônaco. A votação foi popular e se encerrou na noite de segunda-feira, mas o resultado ficou em sigilo pelos organizadores do evento e a premiação é mais um importante marco para a história do clube catarinense, que iniciou a votação na última colocação, mas após uma forte campanha nas redes sociais, conseguiu a vitória. 

+ Adidas será a fornecedora de material do São Paulo

+ Lesão de Neymar mobiliza o mundo do futebol

O prêmio foi dado pela forma com que o clube catarinense se reergueu após a tragédia ocorrida no dia 29 de novembro de 2016, quando 71 pessoas morreram e apenas três atletas sobreviveram, casos de Alan Ruschel, Neto e Jakson Folmann, que representou o clube na premiação. O clube foi citado como exemplo de inspiração para, através do esporte, superar as adversidades. O Laureus ainda destacou o retorno do lateral Alan Ruschel aos gramados, no dia 7 de agosto do ano passado, na partida amistosa contra o Barcelona, no Camp Nou. Ruschel jogou os primeiros 35 minutos do jogo. 

Durante a votação, diversas personalidades divulgaram vídeo onde pediam a votação para a Chapecoense. O clube catarinense derrotou outros cinco candidatos, que foram escolhidos também através de votação mundial ocorrida nos últimos cinco meses. A Chape superou o The Iowa Hawkeyes e seus torcedores da "Kinnick Wave"; Bradley Lowery, o torcedor de futebol de seis anos e sua amizade com o atacante inglês Jermain Defoe; Kimi Räikkönen e seu fã de 6 anos Thomas Danel; e o piloto de automobilismo Billy Monger, de 18 anos. 

O Prêmio Melhores Momentos do Esporte Laureus celebra qualidades como competição, lealdade, esportividade, drama e dedicação. A ideia é mostrar o quanto o esporte pode conseguir mudar o mundo.

A equipe catarinense também concorreu ao prêmio de melhor retorno do ano, mas perdeu para o tenista Roger Federer, que se recuperou de diversas lesões para conseguir ter mais um ano de muitas conquistas.

 

Mais conteúdo sobre:
futebol Chapecoense Prêmio Laureus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.