Chapecoense recebe o Santos focada em se distanciar de vez do rebaixamento

Gilson Kleina pede que tima saiba manter a vantagem no placar, caso a conquiste

Estadão Conteúdo

13 Novembro 2017 | 07h34

A Chapecoense tem uma meta bem estabelecida para o duelo desta segunda-feira contra o Santos, às 20 horas, na Arena Condá, em Chapecó, no encerramento da 34ª rodada do Campeonato Brasileiro: vencer e afastar de vez o perigo do rebaixamento.

+ Santos aposta em juventude e improviso contra a Chapecoense para virar vice-líder

Depois de entrar na zona de descenso, a equipe catarinense reagiu, emendou uma sequência invicta de cinco partidas e alcançou os 41 pontos. Um novo triunfo nesta segunda-feira, assim, deve praticamente afastar o risco de queda do time que hoje ocupa a 14ª posição do Brasileirão.

"Se a gente manter esta pegada, dinâmica, variação de jogo, tenho certeza que a gente vai sair com o resultado positivo. Já tem mais um jogo muito difícil contra o Santos, e tenho certeza que, em casa, vamos fazer valer o mando de campo e subir um pouco mais na tabela, que ainda está um pouco apertado", avalia o lateral-esquerdo Reinaldo. "É manter esta pegada, a concentração, para ajudar a Chapecoense a subir mais na tabela."

Sem jogadores suspensos, a equipe pode contar nesta segunda-feira com uma escalação similar à do empate com o São Paulo, por 2 a 2. Mesmo jogando no Pacaembu, a equipe chegou a abrir 2 a 0, mas sofreu a igualdade nos minutos finais.

Para o técnico Gilson Kleina, o importante será manter um jogo consistente, bem organizado e com atenção na defesa e no ataque. Ele reforça que, desde que chegou ao clube, deu maior atenção ao sistema defensivo, inclusive nas bolas paradas, porque o time vinha sofrendo muitos gols.

"Melhoramos neste aspecto, mas ainda falta um pouco mais de atenção para segurarmos a vantagem que temos conseguido nestes jogos", alerta o comandante, que exalta a importância de o time saber aproveitar o fator campo para surpreender o rival desta segunda, que ele qualificou como "um time agressivo e perigoso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.