Chapecoense
Chapecoense

Chapecoense tem pedido de recuperação judicial deferido para tentar aliviar crise financeira

Com dívida de mais de R$ 100 milhões, clube disse que medida foi última solução encontrada para colocar a casa em ordem

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2022 | 13h56

Chapecoense comunicou em coletiva nesta sexta-feira que o pedido de recuperação judicial na 1.ª Vara Cível da Comarca de Chapecó foi deferido. "A Chapecoense padece de uma grave doença, temos uma doença muito grave, estamos vegetando. Infelizmente, para toda doença grave, o remédio é amargo. E, muitas vezes, precisamos ousar com tratamentos especiais", disse Luiz Peruzzolo, vice-presidente administrativo e financeiro.

O momento financeiro do clube é bastante delicado, com uma dívida que passa os R$ 100 milhões. De acordo com a Chapecoense, a recuperação judicial foi a última solução encontrada para colocar a casa em ordem.

A solicitação da Chapecoense foi atendida pelo juiz Ederson Tortelli, determinando para os próximos seis meses a "suspensão do curso da prescrição das obrigações do devedor", a "suspensão das execuções ajuizadas contra o devedor, inclusive daquelas dos credores particulares do sócio solidário, relativas a créditos ou obrigações sujeitos à recuperação judicial" e "proibição de qualquer forma de retenção, arresto, penhora, sequestro, busca e apreensão e constrição judicial ou extrajudicial sobre os bens do devedor, oriunda de demandas judiciais ou extrajudiciais cujos créditos ou obrigações sujeitem-se à recuperação judicial ou à falência".

A crise financeira do clube refletiu dentro de campo no ano passado, quando a Chapecoense fez uma campanha pífia no Campeonato Brasileiro e foi rebaixada para a Série B com apenas 15 pontos somados - uma só vitória em 38 partidas.

A Chapecoense é o primeiro clube do futebol brasileiro a conseguir recuperação judicial. Em dezembro do ano passado, a Justiça Estadual de Santa Catarina homologou o plano de recuperação extrajudicial do Figueirense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.