Checos investem em contra-ataques e batem americanos

A posse de bola nem sempre é um indicativo de uma boa partida. E isso pôde ser visto na vitória da República Checa por 3 a 0 sobre os Estados Unidos, nesta segunda-feira, em Gelsenkirchen. Os norte-americanos ficam com a bola no pé 55% do tempo de jogo, contra somente 45% do checos.Porém, um indicativo que não engana é a precisão dos chutes a gol. E neste quesito a equipe do leste europeu foi muito superior aos Estados Unidos. O time do técnico Karel Bruckner finalizou 10 vezes ao gol do arqueiro Kasey Keller, acertando cinco vezes e fazendo três gols. Já a equipe do treinador Bruce Arena só chutou seis bolas contra a meta de Petr Cech e acertou ainda menos: somente uma vez. Além da precisão, a República Checa também investiu na marcação forte. Os checos cometeram 19 faltas, recebendo quatro cartões amarelos, um número alto comparando-se a outras partidas desta Copa do Mundo. Os Estados Unidos não perderam muito no número de faltas, mas só receberam dois amarelos.Outra característica interessante e que confirma o forte jogo de contra-ataques dos checos foram os impedimentos. Pavel Nedved, Tomas Rosicky - eleito melhor jogador da partida - e companhia foram pegos nove vezes em impedimento, conta nenhuma dos Estado Unidos, que pressionou, mas sem nenhum perigo, ao contrário dos mortais contra-ataques da República Checa. Veja abaixo as estatísticas do jogo:Finalizações: Rep. Checa, 10; EUA, 6 Finalizações certas: Rep. Checa, 5; EUA, 1 Faltas cometidas: Rep. Checa, 19; EUA, 15 Cartões amarelos: Rep. Checa, 4; EUA, 2 Cartões vermelhos: Rep. Checa, 0; EUA, 0 Escanteios: Rep. Checa, 5; EUA, 2 Impedimentos: Rep. Checa, 9; EUA, 0 Posse de bola: Rep. Checa, 55%; EUA, 45% Melhor jogador da partida: Tomas Rosicky(Com fifaworldcup.com)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.