Fred Lancelot/Reuters
Fred Lancelot/Reuters

Chefe da federação francesa pede que árbitros não parem jogos por cantos homofóbicos

Várias partidas do Campeonato Francês já foram interrompidas nestas quatro primeiras rodadas da competição

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2019 | 10h49

O presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Noel Le Graet, disse que não quer que os árbitros parem os jogos no país em caso de cantos homofóbicos, apesar das novas regras adotadas pela entidade nesta temporada que permitem tais interrupções.

“Eu não pararia os jogos”, disse Le Graet à rádio francesa France Info, nesta terça-feira. Indagado se os árbitros atenderão seu pedido nas partidas deste final de semana, ele respondeu: “Assim espero”. “Não deixaremos que aconteçam mais (cartazes e cantos homofóbicos). Mas parar um jogo? Não.”

Várias partidas do Campeonato Francês foram interrompidas brevemente por árbitros nesta temporada por causa de cantos homofóbicos nas arquibancadas, de acordo com as novas regras introduzidas pela FFF. Um dos casos ocorreu na vitória do PSG sobre o Metz, no Stade Saint-Symphorien.

O presidente da federação não tem autoridade para instruir os árbitros a ignorarem as novas regras.

As medidas foram apoiadas publicamente pela ministra dos Esportes, Roxana Maracineanu, que na semana passada disse ter ficado “aturdida” com comentários anteriores de Le Graet nos quais este disse que “partidas demais” foram interrompidas por causa de incidentes de homofobia. /Com informações de Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.