Laurent Gillieron/ AP
Laurent Gillieron/ AP

Blatter é tratado de forma injusta, diz chefe do comitê de reforma

'Cometeu erros, mas trouxe elementos positivos', afirma Carrard

Joshua Franklin, REUTERS

23 de agosto de 2015 | 13h09

O presidente da Fifa, que está de saída, Joseph Blatter, tem sido tratado de forma injusta em relação ao escândalo de corrupção que envolve a federação mundial de futebol, disse o chefe do comitê de reforma da entidade a um jornal suíço.

“Há algo de injusto sobre a maneira como ele vem sendo tratado”, disse François Carrard, segundo o jornal Le Matin Diamanche, em entrevista publicada neste domingo. "Digo isso com toda a independência. Estamos queimando-o. Certamente ele cometeu erros, mas ele também trouxe elementos positivos. Infelizmente, é sempre assim quando alguém fica por tanto tempo, o negativo se sobressai.” Carrard, ex-diretor-geral do Comitê Olímpico Internacional, foi nomeado neste mês presidente do comitê de reforma da Fifa.

Em maio, promotores dos Estados Unidos indiciaram nove dirigentes do esporte, a maioria deles com cargo na Fifa, e cinco executivos da área de marketing e transmissão esportiva, por suposta fraude, lavagem de dinheiro e extorsão. Promotores suíços e norte-americanos estão examinando se houve irregularidades na concessão do direito para sediar a Copa do Mundo de 2018 na Rússia e o torneio de 2022 no Catar.

Blatter, que decidiu deixar a presidência dias após de ser eleito para um quinto mandato consecutivo, tem sido atacado pelo fato de a Fifa não ter reprimido antes a corrupção. A eleição do seu sucessor está prevista para um congresso extraordinário no dia 26 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.