Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Chegada de Calleri faz São Paulo atingir limite e superar tabu histórico

Clube terá cinco estrangeiros, maior quantidade dos últimos 63 anos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2016 | 07h00

A provável chegada do argentino Jonathan Calleri vai fazer o São Paulo quebrar um tabu e atingir um limite. O atacante ex-Boca Juniors vai fazer o elenco chegar a cinco estrangeiros, número máximo permitido pela CBF para relacionar jogadores para uma partida. O quinteto gringo faz ainda o clube ter a maior maior presença de atletas vindos do exterior desde 1953.

Calleri deve ter o empréstimo por seis meses confirmado nos próximos dias. Quando chegar ao São Paulo, vai se juntar à legião sul-americana formada pelo também argentino Centurión, o uruguaio Lugano, o chileno Mena e o colombiano Wilder. Caso o clube traga mais um estrangeiro, será necessário deixar um fora da relação das partidas, por determinação da CBF.

O técnico Edgardo Bauza revelou semanas atrás que busca mais reforços para o elenco, como um zagueiro e um volante. E as tentativas incluíram atletas do exterior. Segundo o jornal Olé, da Argentina, por indicação do treinador o São Paulo tentou trazer o lateral-direito Buffarini, do San Lorenzo, em investida de R$ 4,8 milhões     recusada pelo clube de Buenos Aires.

O comandante argentino deverá ter à disposição a maior quantidade de jogadores estrangeiros no São Paulo desde 1953. Naquela temporada, o técnico também era argentino: Jim Lopes. O treinador tinha no time cinco compatriotas: José Poy, Gustavo Albella, Juan Negri, Eduardo Di Loreto, Nicolas Moreno e Rinaldo Martino.

Calleri está para chegar e reforçar um setor em que há uma grande concorrência, inclusive com o compatriota Centurión e outro recém-contratado, Kieza. "A disputa por posição tem que acontecer e ser sadia. Isso será bom para o São Paulo e para nosso treinador, que vai escolher o melhor para jogar. Se o Calleri vir, será bem recebido", disse Kieza nesta sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.