David Klein/Reuters
David Klein/Reuters

Chelsea acerta com marroquino do Ajax na 1ª contratação depois de punição da Fifa

Hakim Ziyech, de 26 anos, custará aos cofres do clube londrino 40 milhões de euros (R$ 190 milhões), fora bônus

Redação, Estadão Conteúdo

13 de fevereiro de 2020 | 10h46

Punido pela Fifa com a proibição de fazer contratações por duas janelas de transferências, depois diminuída para uma pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em esporte), o Chelsea anunciou nesta quinta-feira o seu primeiro reforço desde o final da punição. Trata-se do meia-atacante marroquino Hakim Ziyech, de 26 anos e nascido na Holanda, que está no Ajax.

Apesar da contratação ter sido fechada entre os clubes nesta quinta-feira, a transferência só será concluída no início de julho deste ano, quando a janela do verão europeu for aberta. Para contar com o meia-atacante marroquino, o Chelsea pagará 40 milhões de euros (R$ 190 milhões) fixos, mais quatro milhões de euros (R$ 19 milhões) em variáveis por metas.

Esta é a primeira contratação de Frank Lampard como treinador do Chelsea. Um dos motivos da ofensiva inglesa por Ziyech é o fato de o brasileiro Willian e o espanhol Pedro serem jogadores que estão em final de contrato e que ainda não renovaram os seus vínculos com a equipe de Londres.

Ziyech fez toda a sua carreira na Holanda. Ele começou Heerenveen, depois passou pelo Twente e desde 2016 está no Ajax. Está com 18 jogos no Campeonato Holandês desta temporada e possui seis gols e 13 assistências. Recentemente também foi eleito para a seleção africana do ano de 2019.

Uma curiosidade da negociação é que o clube holandês postou um vídeo com lances de Ziyech nas redes sociais com um recado para o Chelsea: "Ei, Chelsea. Você tem que acreditar na magia dele. E grandes coisas vão acontecer".

Tudo o que sabemos sobre:
ChelseaAjax

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.