Chelsea condena torcedores filmados em atos racistas em Paris

Torcedores que iam para o jogo contra o PSG, no Parque dos Príncipes, impediram a entrada de homem negro no metrô 

REUTERS

18 de fevereiro de 2015 | 09h45

O Chelsea condenou um incidente, capturado em imagens de vídeo amador no metrô de Paris, que mostra torcedores do time empurrando um homem negro para fora de um trem e cantando "nós somos racistas".

O vídeo foi feito na terça-feira à noite antes do empate por 1 a 1 entre Chelsea e PSG, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, no estádio Parque dos Príncipes, em Paris. É possível ouvir os homens gritando "nós somos racistas, somos racistas, e essa é a maneira que gostamos".

Paul Nolan, britânico residente em Paris que fez o vídeo, disse à Rádio Four da BBC que os torcedores pareciam "muito agressivos" e foi uma "cena feia". Nolan contou que o incidente ocorreu por volta das 19h30, no horário local, 1h15 antes do início da partida.

"Um trem chega e eu vejo um monte de gente, muito lotado, parece haver algo acontecendo", disse Nolan à rádio BBC. "As pessoas dentro são britânicos e torcedores do Chelsea. Eles estão cantando ''Chelsea, Chelsea, Chelsea''. Antes ouvimos cânticos racistas, houve algumas menções sobre a Segunda Guerra Mundial. Eles pareciam muito agressivos".

 


O Ministério Público de Paris abriu uma investigação sobre o incidente na estação Richelieu-Drouot. Os homens no vídeo, incluindo a vítima, ainda não foram identificados, disse a porta-voz do escritório da procuradoria Agnes Thibault-Lecuivre. A Prefeitura de Paris informou à polícia que não havia sido apresentada nenhuma queixa relacionada às imagens. Um porta-voz disse que a polícia, incluindo cerca de dez oficiais britânicos, foi deslocada para áreas de Paris na terça-feira e impediu várias brigas. Ele acrescentou que a polícia havia tomado ciência do vídeo havia pouco tempo, mas, como os rostos estão claramente visíveis, deve ser fácil identificar os homens.

A Polícia Metropolitana de Londres disse que vai analisar as imagens para ver se alguma medida pode ser aplicada, e ajudará as autoridades francesas a "identificar as pessoas envolvidas e apoiá-las em qualquer ação que eles decidirem tomar".

O Chelsea, cuja imagem foi seriamente manchada na década de 1970 e 1980, quando a Frente Nacional, de extrema direita, recrutava integrantes entre seus torcedores, condenou o incidente nesta quarta-feira. "Vamos apoiar qualquer ação penal contra os envolvidos, e em caso de provas apontarem o envolvimento de detentores de carnês da temporada ou sócios do clube, eles sofrerão a mais forte possível ação contra eles, incluindo ordens de proibição".


A Uefa condenou o incidente, mas disse que não pode tomar qualquer ação. "Estamos consternados pelo incidente que aconteceu no metrô de Paris na terça-feira", disse em um comunicado. "No entanto, uma vez que ocorreu longe do estádio, isso está fora da área de ação da Uefa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.