John Sibley/Reuters
John Sibley/Reuters

Chelsea derrota o Arsenal e dispara na ponta do Campeonato Inglês

Equipe azul não tomou conhecimento de rival e abriu 12 pontos na liderança

Estadao Conteudo

04 Fevereiro 2017 | 12h38

O Chelsea mostrou outra vez sua força nesta temporada e deu mais um passo rumo ao título do Campeonato Inglês ao arrasar o Arsenal no clássico londrino deste sábado. A equipe de Antonio Conte dominou o maior rival e fez a festa da torcida no Stamford Bridge ao despachá-lo com um contundente 3 a 1, com gols de Marcos Alonso, Hazard e Fabregas. Giroud descontou no fim.

O resultado deixou o Chelsea ainda mais próximo do título, mesmo com 14 partidas ainda por jogar. Isso porque a equipe tem 59 pontos, já a 12 de vantagem do vice-líder Tottenham, que ainda atua na rodada. Por outro lado, a derrota afastou da briga pela conquista o Arsenal, que estacionou também no 47 pontos, na terceira colocação pelos critérios de desempate.

O clima foi de festa no Stamford Bridge mesmo antes do pontapé inicial. A torcida lotou as arquibancadas e homenageou o ídolo Frank Lampard, que anunciou nesta semana sua aposentadoria do futebol. Entre os milhares de fãs no estádio, estava Didier Drogba, que compareceu ao estádio para assistir à partida após a negociação frustrada com o Corinthians.

Apesar do ambiente favorável, o Chelsea levou um susto logo com um minuto de jogo, quando Courtois errou na saída de bola e Özil tocou para Iwobi, que bateu de fora da área rente à trave. Aos poucos, no entanto, os anfitriões exerceram sua superioridade e, como têm feito ao longo de toda a temporada, encurralaram o rival até marcar.

O primeiro gol saiu aos 12 minutos. Pedro cruzou da direita, Diego Costa tocou de cabeça e a bola bateu no travessão. No rebote, Marcos Alonso subiu muito mais que Bellerín e finalizou para a rede. No lance, o lateral do Chelsea acertou o braço na cabeça do rival, que precisou deixar o campo. Apesar das reclamações, o árbitro não marcou falta.

O gol em nada mudou o domínio do Chelsea, que seguiu pressionando e por pouco não ampliou na etapa inicial. Aos 18, Diego Costa recebeu na área, passou pela marcação e bateu para fora. Já aos 31, Marcos Alonso cruzou da esquerda e Pedro finalizou sem força, mas Cech deu um susto e jogou para escanteio.

O Arsenal estava atônito e só conseguiu responder na reta final da primeira etapa. Primeiro, aos 37, com o brasileiro Gabriel Paulista, que havia entrado na vaga de Bellerín. Ele aproveitou cruzamento da direita e testou firme, mas Courtois fez grande defesa. Depois, aos 47, Özil recebeu com muita liberdade na área, dominou, mas bateu fraco e facilitou para o goleiro belga.

Na volta para o segundo tempo, o Arsenal tentou ir para cima, mas antes que pudesse reagir, levou um balde de água fria. Aos sete minutos, Hazard recebeu no meio de campo, passou por Koscielny e ganhou de Coquellin no corpo. Ao entrar na área, voltou a vencer Koscielny como quis antes de tocar na saída de Cech para marcar um golaço.

Abalado, o time visitante tentou se lançar ao ataque e, aos poucos, passou a ameaçar o gol de Courtois, mas parou no goleiro adversário. Aos 32, Welbeck recebeu cruzamento da direita e finalizou firme, mas viu o belga fazer grande defesa. Na cobrança de escanteio, Mustafi subiu sozinho, mas errou a mira e jogou para fora.

Se Courtois garantia a vitória do Chelsea, Cech facilitou a vida da equipe aos 39 minutos. O goleiro, ídolo justamente do lado azul de Londres, saiu jogando mal após cobrança de lateral e entregou nos pés de Fabregas. O meia exibiu toda sua categoria, dominou na coxa e tocou por cobertura para selar o triunfo. Nos acréscimos, Giroud ainda diminuiu de cabeça, mas já era tarde para a reação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.