Javier Soriano / AFP
Javier Soriano / AFP

Chelsea empata com o Real Madrid pela Liga dos Campeões e leva vantagem para decidir em Londres

Resultado de 1 a 1 no jogo de ida, na Espanha, dá aos ingleses vaga na final com um empate sem gols

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 18h09

O Chelsea, do técnico Thomas Tuchel, se caracteriza por quase não sofrer gols atuando em Stanford Bridge, na Inglaterra. Passar em branco mais uma vez em seu estádio, no dia 5 de maio, significará a ida para a final da Liga dos Campeões após ótimo empate por 1 a 1 diante do Real Madrid, no Alfredo Di Stefano, nesta terça-feira.

Os ingleses festejaram o gol em Madri, mas tiveram outros motivos para comemorar: além de conseguir o resultado positivo, a apresentação segura atrás e surpreendente na frente aumentaram as esperanças por presença na decisão de 29 de maio, em Istambul.

Tuchel já dirigiu o Chelsea em Stamford Bridge em 11 jogos. E, em nove deles, o time saiu sem sofrer gols. Apostará no forte poder defensivo para buscar repetir a conquista de 2012. Ao Real Madrid, há a esperança que o ataque resolva fora de casa. A eliminatória fica aberta, mas os espanhóis sabem que terão de se superar após pouco fazerem em casa.

O Real Madrid entrou em campo com uma legião de brasileiros: Eder Militão, Marcelo, Casemiro e Vinícius Jr. foram escalados por Zinedine Zidane para abrir vantagem na série.

Mas foram os ingleses quem começaram melhor na semifinal. Courtois salvou os merengues com finalização à queima roupa de Timo Werner com menos de 10 minutos. O goleiro usou o pé direito para evitar a abertura do placar.

Nada pôde fazer logo depois, vendo o jejum de pouco mais de 400 minutos sem sofrer gols chegar ao fim. O camisa 10 Pulisic recebeu o lançamento longo, livre, driblou o goleiro e tirou o zero do placar.

O Chelsea, apesar de visitante, sentia-se muito tranquilo em campo e pouco era ameaçado. Até uma tabela no jogo aéreo acabar no artilheiro Benzema, que não desperdiça. Casemiro cabeceou  para Eder Militão, também de cabeça, serviu o francês. Domínio e giro forte e igualdade no marcador.

Chegou à marca de 71 gols pelo Real Madrid na Liga dos Campeões, igualando o ídolo Raul. Ambos agora dividem o quarto lugar como maiores artilheiros do clube na competição. Ele ainda carimbou a trave. Um dilúvio antes do intervalo deixou a missão dos times ainda mais complicada no Alfredo Di Stefano.

A quem imaginava um Chelsea retrancado com o esquema de três zagueiros, a postura do time de Thomas Tuchel surpreendeu. O técnico finalista com o PSG na temporada passada colocou sua equipe para frente. 

Além de marcar bem, o Chelsea não deixou de buscar o ataque em momento algum. O Real não esperava tamanha "fome" dos ingleses. Zidane optou por tirar Vinícius Jr. e Marcelo para buscar a virada nos minutos finais. Apostou em Asensio e Hazard para igualar o confronto e ter mais força na frente. Porém, nada pôde fazer diante de um adversário forte e bem postado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.