Kirill Kudryavtsev/AFP
Kirill Kudryavtsev/AFP

Chelsea goleia o Arsenal com show de Hazard e conquista a Liga Europa

Blues conquistam o bicampeonato do torneio após vitória por 4 a 1, em Baku, no Azerbaijão

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2019 | 18h19

Com direito a um show de Hazard no segundo tempo, quando o craque belga marcou dois gols e ainda deu assistência para Pedro balançar as redes, o Chelsea goleou o Arsenal por 4 a 1, nesta quarta-feira, no estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão, e conquistou o seu segundo título da Liga Europa.

Campeão desta competição pela primeira vez em 2013, o time levou a melhor no clássico entre os rivais de Londres e fez história ao ganhar esta edição do torneio de forma invicta. O bicampeonato também marca o terceiro troféu continental importante do Chelsea, que também ergueu a taça da Liga dos Campeões em 2012.

Para o Arsenal, a goleada sofrida nesta decisão foi mais uma grande decepção em um torneio da Uefa, depois de ter amargado anteriormente o vice-campeonato da Liga Europa em 2000 e do principal interclubes do Velho Continente em 2006. Assim, a equipe ampliou o seu incômodo jejum em torneios da Uefa, na qual contabiliza como sua única "glória" a conquista da Recopa Europeia de 1994. 

A conquista desta quarta-feira também fez o zagueiro brasileiro David Luiz entrar para a história como único jogador do Chelsea a possuir três títulos continentais, pois ele também era integrante da equipe que conquistou a Liga dos Campeões há sete anos e a Liga Europa na temporada seguinte.

Para Hazard, a grande atuação diante do Arsenal foi a sua despedida de gala do clube inglês. Veículos da imprensa europeia noticiaram que o craque poderá ser anunciado como novo reforço do Real Madrid na próxima semana. E o próprio jogador admitiu, após o duelo desta quarta-feira, que está partindo para um novo desafio profissional.

O JOGO

Atuando diante de um Chelsea que entrou em campo ostentando o melhor ataque desta Liga Europa, com 32 gols marcados em sua campanha até a final, o Arsenal foi escalado pelo técnico Unai Emery com uma formação mais precavida, com três zagueiros. Pela equipe dirigida por Maurizio Sarri, o volante francês Kanté, que era dúvida por motivo de lesão, acabou sendo confirmado entre os 11 titulares. 

Mas, apesar de o desenho tático inicial indicar que o Chelsea começaria o duelo com maior presença ofensiva, quem chegou com maior perigo ao ataque pela primeira vez foi o Arsenal. Aos 8 minutos, Niles tabelou com Auba pela direita e cruzou para a área. Kepa rebateu mal a bola, que sobrou para Özil. O meia alemão, em ótima condição para marcar, acabou finalizando para fora.

Sem criatividade no meio-campo, o time de Sarri tinha suas investidas ofensivas paradas pelo seu rival de Londres, que voltou a assustar o adversário aos 21 minutos, quando Lacazette foi lançado dentro da grande área pela esquerda e, na hora de arrematar, acabou sendo abafado por Kepa e caiu no gramado. Os jogadores do Chelsea pediram pênalti do goleiro espanhol sobre o atacante francês. Após pedir auxílio do VAR (árbitro de vídeo), o juiz italiano Gianluca Rocchi não assinalou a penalidade.

Confiante, o time de Emery aproveitava os espaços pelo lado esquerdo da defesa do Chelsea e, principalmente com o habilidoso Aubameyang, fazia David Luiz e Emerson Palmieri sofrerem na marcação por ali. E a equipe chegaria novamente com perigo no ataque em finalizações do suíço Xhaka e do bósnio Kolasinac.

O Chelsea não engrenava, mas finalmente acordou após tomar novos sustos e por muito pouco não abriu o placar em sua primeira melhor trama ofensiva, aos 33 minutos. Após lindo passe de calcanhar de Hazard, Jorginho recebeu pelo lado esquerdo da grande área e finalizou cruzado, mas o goleiro Peter Cech se esticou todo para espalmar para fora e praticar ótima defesa.

E o checo voltaria a trabalhar de forma decisiva aos 38 minutos. Em nova jogada iniciada com belo passe de Hazard para Jorginho, o brasileiro naturalizado italiano acionou Giroud pela esquerda. O atacante francês chutou cruzado, mas Cech fez mais uma ótima intervenção para manter a igualdade sem gols no placar.

ATROPELAMENTO NO 2º TEMPO

Já aos 3 minutos da etapa final, porém, Giroud não perdoou. Artilheiro isolado desta Liga Europa, o atacante francês marcou o seu 11º gol na competição ao receber cruzamento da esquerda e cabecear no canto direito baixo de Cech. Com longa trajetória e identificação pelo Arsenal, o jogador evitou comemorar em respeito ao seu ex-clube e apenas ergueu os seus braços de forma comedida, em respeito ao time que ele defendeu entre 2012 e 2018 e pelo qual marcou 105 gols em 253 jogos.

Ao abrir o placar, o Chelsea obrigou o rival a partir ao ataque e passou a ceder mais espaços em sua defesa. E o Arsenal começou a ser atropelado pelo adversário, que ampliou o placar para 2 a 0 aos 14 minutos. Em boa trama ofensiva, Hazard recebeu pela esquerda e deu assistência no meio para Pedro, que finalizou no canto esquerdo de Cech.

O novo gol desestruturou de vez o time de Emery, que levaria o terceiro cinco minutos depois, com um pênalti convertido por Hazard. Antes disso, o belga iniciou a jogada que originou a penalidade, cometida por Maitland-Niles sobre Giroud quando o francês tentava finalizar para as redes um passe de Pedro.

Em desvantagem de 3 a 0, Emery foi para o tudo ou nada e colocou seu time no ataque com as entradas de Iwobi e Guendouzi nos respectivos lugares de Torreira e Monreal. E pouco depois o treinador espanhol teve um fio de esperança de uma reação ao ver Iwobi aproveitar um rebote e acertar lindo chute cruzado de fora da área que entrou no canto direito alto de Kepa, descontando o placar aos 23 minutos.

Já aos 26, porém, o Chelsea enterrou as chances de uma reviravolta na partida ao ampliar para 4 a 1 com um golaço. Emerson aproveitou uma saída de bola errada do Arsenal e tocou para Hazard. O belga avançou pela esquerda e tocou para Giroud, que devolveu para o camisa 10 finalizar de primeira para as redes.

O brasileiro Willian, que iniciou o duelo entre os reservas e substituiu Pedro aos 25 minutos da etapa final, quase ampliou o placar aos 33 minutos em uma finalização que obrigou Cech a praticar outra linda defesa. E o Chelsea desperdiçou outras boas oportunidades ofensivas diante de um Arsenal que até esboçou uma pressão no fim, mas já não havia tempo para qualquer reação.

FICHA TÉCNICA

CHELSEA 4 X 1 ARSENAL

CHELSEA - Kepa; Azpilicueta, David Luiz, Christensen e Emerson Palmieri; Jorginho, Kanté e Kovacic (Barkley); Pedro (Willian), Hazard (Zappacosta) e Giroud. Técnico: Maurizio Sarri.

ARSENAL - Petr Cech; Sokratis, Koscielny e Monreal (Guendouzi); Maitland-Niles, Torreira (Iwobi), Xhaka, Özil (Willock) e Kolasinac; Aubameyang e Lacazette. Técnico: Unai Emery.

GOLS - Giroud, aos 3, Pedro, aos 14, Hazard, aos 19 e 26 minutos do segundo tempo. Iwobi, aos 23 da etapa final.

ÁRBITRO - Gianluca Rocchi (ITA)

CARTÕES AMARELOS - Pedro e Christensen (Chelsea)

PÚBLICO E RENDA - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.