Marcelo Del Pozo/Reuters
Marcelo Del Pozo/Reuters

Chelsea segura a pressão do Porto e volta à semifinal da Liga dos Campeões

Comandados de Thomas Tuchel fazem lição de casa e aproveitam boa vantagem conquistada no primeiro duelo

Redação, Estadão Conteúdo

13 de abril de 2021 | 18h08

Após sete temporadas, o Chelsea está de volta às semifinais da Liga dos Campeões. O time inglês perdeu, nesta terça-feira, por 1 a 0 para o Porto, em Sevilha, mas ficou com a vaga por ter vencido o primeiro duelo por 2 a 0. Os dois jogos foram na cidade espanhola por causa das condições sanitárias em Portugal.

Como se esperava, o Porto tomou a iniciativa desde os primeiros minutos de jogo em busca de tirar a diferença que sofrera no primeiro confronto na semana passada. O problema é que o Chelsea se mostrou muito bem postado na zaga e não deu grandes chances aos portugueses.

Com isso, a disputa ficou mais concentrada no meio de campo. O destaque foi a dupla de meio-campistas do Chelsea, com Jorginho mais na marcação e Kanté na transição da defesa para o ataque. Do lado do Porto, Sérgio Oliveira, que ficou fora do primeiro duelo por causa de suspensão, é quem tinha mais fôlego para brigar diante do "paredão" inglês.

O primeiro tempo terminou empatado até nas chances perdidas. Havertz levou perigo, mas seu cruzamento foi bloqueado por Pepe, aos 26 minutos. Seis minutos depois, Corona esbanjou categoria diante de Chilwell, mas errou feio na hora da finalização.

O panorama do segundo tempo foi totalmente diferente. O Chelsea passou a tomar as rédeas da partida e empurrou o Porto para o seu campo. James, Pulisic e Mount quase abriram o placar para a equipe inglesa nos primeiros dez minutos.

Sentindo a pressão, o técnico Sergio Conceição colocou o atacante Taremi, aos 16 minutos. Ele só precisou de mais três minutos para conseguir cabecear com perigo para boa defesa de Mendy. Luis Diaz e Evanilson também entraram, mas o destaque ficou para a dupla de zaga Rüdiger e Thiago Silva, do time inglês.

Apesar da pressão no fim do jogo, o Porto só foi conseguir um gol aos 48 minutos, com uma linda meia bicicleta de Taremi: um golaço. Mas não havia tempo para completar a reação com mais um gol e levar a disputa para a prorrogação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.