Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Susana Vera / EFE
Susana Vera / EFE

Chelsea vence o City e volta a ser campeão da Liga dos Campeões após nove anos

Havertz marca o único gol da partida no primeiro tempo e time de Tuchel neutraliza o adversário para ser bicampeão

Bruno Accorsi, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2021 | 18h22

Nove anos depois de vencer a Liga dos Campeões pela primeira vez, em 2012, o Chelsea voltou a levantar a taça mais desejada do futebol europeu neste sábado, ao vencer o Manchester City em final inglesa disputada no Estádio do Dragão, em Portugal.  Com uma atuação defensiva segura, o time comandado por Thomas Tuchel contou com um gol de Havertz, aos 42 minutos do primeiro tempo, para garantir o bicampeonato.

Do outro lado, o Manchester City adia o sonho de fazer como o rival fez em 2012 e conquistar o título inédito. Estreante na final da competição, o atual campeão inglês terá que esperar a próxima temporada para tentar mais uma vez alcançar a glória do feito histórico.

Antes de a bola rolar, a ansiedade do torcedor do City disparou diante da divulgação da escalação montada por Pep Guardiola, sem os volantes Fernandinho e Rodri. Além disso, Zinchenko foi mantido na lateral esquerda no lugar de Cancelo, após boas atuações nas semifinais. A principal surpresa foi a escolha de começar com Sterling como titular.

Apesar do impacto inicial, a escalação inusitada não chegou a afetar muito o Chelsea, tanto que a partida começou com certo equilíbrio. O primeiro goleiro a trabalhar foi Mendy, que salvou o time londrino aos sete minutos, quando saiu do gol para impedir finalização cara a cara de Sterling.

Depois disso, o Chelsea passou a frequentar mais o campo de ataque e desperdiçou boas chances com Timo Werner, aos 13 e 14 minutos. A pressão continuou e, após dois minutos, Kanté também teve sua chance, de cabeça, mas mandou para fora. Enquanto isso, a equipe de Guardiola não conseguia encontrar espaços para criar jogadas ofensivas.

O City chegou a ter um momento mais incisivo após a segunda metade da etapa inicial, mas esbarrou em intervenções certeiras da defesa adversária. Assim, o Chelsea continuou melhor e conseguiu encontrar o caminho antes do intervalo. Aos 42 minutos, Mount enfiou lindo passe para Havertz, que saiu na frente de Ederson, limpou o goleiro e mandou para a rede. Pouco antes disso, Thiago Silva saiu de campo com um problema na virilha.

No segundo tempo, o Manchester City se esforçou para manter a posse de bola e, mesmo com dificuldades para encontrar espaços, conseguiu pressionar. Bem posicionada na defesa, a equipe londrina evitava que as jogadas adversárias evoluíssem. Por outro lado, sofria para encaixar os esperados contra-ataques para tentar matar o jogo.

Quando o contragolpe encaixou, aos 27 minutos, o Chelsea quase ampliou. No lance, Pulisic recebeu belo passe de Havertz e finalizou para fora. Outra chance foi desperdiçada por Jorginho, aos 36. A configuração na maior parte da partida, no entanto, foi a seguinte: City atacando e Chelsea defendendo muito bem, com atuações individuais brilhantes na marcação. Kanté foi o grande destaque nos desarmes.

Mesmo com as entradas de Fernadinho, Gabriel Jesus e Aguero, essa última muito pedida pela torcida, o City não conseguia atacar com qualidade. O time manteve a posse de bola por todo o segundo tempo, porém sem apresentar grandes riscos ao Chelsea. Sem deixar que o adversário penetrasse, a equipe londrina aguentou até o fim e garantiu a segunda taça da Liga dos Campeões.

FICHA TÉCNICA

MANCHESTER CITY 0 X 1 CHELSEA

MANCHESTER CITY – Ederson; Walker, Stones, Rúben Dias e Zinchenko; Gündogan, De Bruyne (Gabriel Jesus) e Bernardo Silva (Fernandinho); Sterling (Aguero), Mahrez e Foden. Técnico: Pep Guardiola.

CHELSEA – Mendy; Azpilicueta, Thiago Silva (Christensen), Rüdiger e James; Jorginho, Kanté, Chilwell, Havertz e Mount (Kovacic); Werner (Pulisisc). Técnico: Tomas Tuchel.

GOLS – Haverrtz, aos 42 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO – Mateu Lahoz.

CARTÕES AMARELOS – Gündogan, Rüdiger e Gabriel Jesus.

PÚBLICO – 14.110 torcedores.

LOCAL - Estádio do Dragão, em Porto, Portugal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.