Chico Buarque é atração na Vila Belmiro

Chico Buarque teve um dia de glória no gramado da Vila Belmiro. Foi a principal atração da pequena torcida que compareceu ao estádio para assistir à pelada entre os Veteranos do Santos e o Politeama, time do compositor. Quando ele pegava na bola, seus torcedores se levantavam, enquanto se mostravam quase indiferentes aos outros jogadores, mesmo tendo Clodoaldo, Narciso, Manoel Maria e outras estrelas santistas do passado. Chico fez o que pode, mas não conseguiu impedir a goleada por 5 a 2. Deu o passe para o primeiro gol de seu time e marcou o segundo. De pênalti. Antes do jogo, comentou que era um peladeiro. "Espero não desonrar demais este gramado", disse ao entrar em campo. O compositor informou que, mesmo sendo são-paulino, assistiu a mais jogos do Santos do que do tricolor. "Não torcia para o Santos, mas ia ao campo para ver a equipe jogar", disse ele. E isso começou cedo, quando ainda era criança. "Peguei, perto de 55 quando ainda era um time médio e vi aquela equipe se formar. Era uma beleza e, com Pelé, ficou uma covardia". Para Chico Buarque de Holanda, "o Santos era o time que representava o nosso futebol, era uma seleção". É desse tempo que surgiu seu ídolo: Pagão. "Eu queria jogar como ele e é por isso que até hoje jogo com a camisa 9". Mas Chico gosta também de Robinho. "Ele lembra o Pelé, aquelas jogadas de corpo. O Pelé fininho do começo era assim". O jogo - Foi uma pelada, sem maiores conseqüências. Os jogadores deixavam o gramado quando estavam cansados e as substituições foram livres. Bibi foi um dos que saiu e ficou perto do gramado, como se fosse um técnico, incentivando o Politeama a ir em frente quando perdia por 4 a 1. Num determinado momento, ele chamou Everaldo, conversou um pouco e depois disse: "só chamei porque pretendia que você deixasse o Carlinhos Vergueiro um pouco sozinho". Divertido, chegou a comentar. "Esse time precisa de 11 jogadores novos" e corrigiu logo em seguida, lembrando quem era o dono da equipe: "10 porque o Chico fica". E todos se divertiam. Carlinhos Vergueiro chegou perto do banco de reservas e comentou, brincando: "o único aqui que tem um toque semelhante ao meu é o Clodoaldo". Pelo Politeama, entraram como titulares Jimi; Sérgio, Ricardo, Trípoli e Rodolfo; Filé, Lula, Bibi e Chico Buarque; Vinicius e Carlinhos Vergeiro. Entraram ainda Zé Miguel Winix, Fernando, Marquinhos, José Luís Tahan e Torero. Os veteranos santistas começaram o jogo com Lalá; Mauro Patrício, Toninho Carlos, Everaldo e Neto; Clodoaldo, Negreiros, Narciso e Gilberto Costa; Lino e Manoel Maria. Neto, Nino, Gilberto Costa (2) e André marcaram para o Santos, enquanto Vinícius e Chico Buarque fizeram os do Politeama. Na saída, Chico Buarque de Holanda ainda comentou que poderia haver uma revanche. "É uma boa idéia". E concluiu, como despedida: "Obrigado por deixarem um perna de pau jogar aqui".

Agencia Estado,

30 Abril 2005 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.