Miguel Medina/ AFP
Miguel Medina/ AFP

Chievo Verona escapa de punição e se mantém na primeira divisão da Itália

Equipe poderia perder até 15 pontos por números inflados em transferências de jogadores para o Cesena

Estadão Conteúdo

25 de julho de 2018 | 13h06

Investigado pela Federação Italiana de Futebol (FIGC, na sigla em italiano), o Chievo Verona foi absolvido de uma acusação que poderia resultar na perda de 15 pontos na última edição do Campeonato Italiano e o consequente rebaixamento à Série B. Por causa de números inflados em transferências de jogadores entre os clubes, o Cesena sofreu a penalidade e vai cumpri-la na próxima temporada em que se inscrever para disputar uma divisão no país, uma vez que recentemente decretou falência.

+ Promotoria da Espanha pede 11 anos de prisão para Rosell e multa de R$ 257 milhões

O Tribunal Federal Nacional, que julgou o caso, anunciou nesta quarta-feira as decisões tomadas. O caso contra o Chievo Verona foi devolvido ao Ministério Público Federal do País, que apresentou a denúncia. A corte considerou "inadmissível" que o presidente do clube, Luca Campedelli, tenha sido impedido, antes da audiência marcada, de dar explicações sobre o caso aos investigadores, apesar de ele ter se oferecido.

A condenação resultaria no rebaixamento do Chievo Verona, que fez 41 pontos no último Campeonato Italiano e terminou em 13.° lugar. O Crotone, que na temporada passada somou 35 e caiu porque terminou na 18.ª posição, iria se salvar em caso de punição. Por isso anunciou que vai levar o caso até a última instância.

Na última segunda-feira, a FIGC comunicou que o Parma vai começar a próxima edição do Campeonato Italiano com cinco pontos a menos. A punição aconteceu por causa de mensagens via WhatsApp do atacante Emanuele Calaiò, que defendia o clube na última temporada e recebeu uma suspensão de dois anos, em que sugeriu a atletas adversários, do Spezia, que não jogassem a sério na última rodada da segunda divisão.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato Italiano de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.