Chilavert acusa futebol brasileiro de vetar jogos na altitude

Para o ex-goleiro do Paraguai, clubes como o Flamengo são os responsáveis por uma 'grande injustiça'

EFE

21 de janeiro de 2008 | 10h00

O ex-goleiro da seleção paraguaia José Luis Chilavert afirmou neste domingo em La Paz que o veto da Fifa a jogos na altitude "está sendo causado pelos brasileiros", e que se está cometendo uma "grande injustiça" com a Bolívia. Chilavert e o presidente da Bolívia, Evo Morales, ofereceram uma entrevista coletiva em La Paz após participarem de um ato durante a partida entre Bolívar e The Strongest, que deu início ao Campeonato Boliviano. "Os brasileiros não gostam de jogar na altitude", disse o ex-goleiro. Chilavert afirmou ainda que o que a Fifa está fazendo ao vetar vários estádios da Bolívia é uma "grande injustiça" e uma "aberração". O Flamengo pediu recentemente que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva revise sua decisão de apoiar a Bolívia em sua campanha contra o veto imposto pela Fifa a jogos em locais a mais de 2.750 metros acima do nível do mar. A decisão prejudica a realização de jogos internacionais no estádio Hernando Siles, de La Paz, situado a 3.577 metros acima do nível do mar. Morales afirmou que, além de Lula, conversou nos últimos dias com seus colegas da Venezuela, Hugo Chávez, e Paraguai, Nicanor Duarte, que lhe apoiaram na luta contra o veto. O presidente boliviano afirmou ainda acreditar que a Fifa vai mudar de opinião sobre jogos na altitude. "Continuo acreditando no presidente da Fifa (Joseph Blatter), porque conversei com ele, que se comprometeu a resolver a questão", disse Morales, que afirmou que a principal entidade do futebol mundial deve revisar suas decisões "pelo bem" da prática deste esporte. "A Fifa é maior que a ONU, pela universalidade do futebol. Tenho certeza de que vai compreender nossa reivindicação", concluiu o governante boliviano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.