Fernando Bizerra Jr/Efe
Fernando Bizerra Jr/Efe

Chile sonha com feito inédito no Brasil para ir à Copa do Mundo

Equipe jamais ganhou da seleção fora de casa e precisa de vitória para não depender de outros resultados nas Eliminatórias

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2017 | 07h00

Para o Chile se classificar para a Copa do Mundo, terá de enfrentar a própria história. A equipe fez ontem no CT do São Paulo o primeiro treino no Brasil pressionado pela necessidade de conquistar nesta terça-feira a inédita vitória sobre a seleção como visitante para não ter que depender de outros resultados para ir à Rússia.

+ Miranda ignora risco do Chile de não ir à Copa: 'É culpa deles'

+ Seleção vai manter time base contra o Chile

Desde 1919 a seleção chilena veio ao Brasil para enfrentar a equipe da casa 27 vezes. Desses encontros, perdeu 21 e empatou seis. O último foi o importante deles, pelas oitavas de final da Copa do Mundo de 2014. A derrota nos pênaltis no Mineirão após o 1 a 1 no tempo normal é até hoje relembrada com bastante lamentação.

A obrigação de ganhar do Brasil é tão grande quanto o temor que o adversário traz ao Chile. A La Roja disputou oito Copas do Mundo e em quatro vezes foi eliminada pela seleção, incluindo as três últimas participações em Mundiais (1998, 2010 e 2014). O pesadelo brasileiro pode, inclusive, tirar o Chile da rota de outra edição do Mundial na terça-feira. 

Se for tomar como base o histórico pelas Eliminatórias, o técnico Juan Antonio Pizzi ficará preocupado, pois em sete confrontos em território brasileiro, foram sete derrotas. "Espero que esse tabu continue. Jogando em casa, diante da nossa torcida, queremos um resultado a favor nosso", disse o zagueiro Miranda nesta segunda-feira.

O equilíbrio na tabela das Eliminatórias força o Chile a viver uma situação de extremos antes de enfrentar o Brasil. Apesar do terceiro lugar na classificação, só a vitória garante a vaga na Rússia entre os quatro primeiros colocados. A derrota ou o empate obrigariam a torcer contra quatro concorrentes.

Os campeões da duas últimas edições da Copa América chegaram desembarcaram em São Paulo na noite de sábado e vão adotar a discrição até o jogo. No domingo à tarde, o time fez o primeiro treino no CT do São Paulo. Apenas 15 minutos do trabalho foram abertos à imprensa e não houve entrevistas.

Durante esse período, foi possível ver o grande problema enfrentado pelo treinador. Um dos principais jogadores da equipe, o volante Arturo Vidal, está suspenso pelo segundo cartão amarelo. O substituto imediato dele, Charles Aránguiz, ex-Inter, se recupera de lesão na panturrilha e neste domingo só caminhou pelo gramado e não participou do aquecimento. O favorito para assumir a titularidade é um jogador convocado de última hora. Esteban Pavez, do Atlético-PR, é quem deve começar a partida.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.