Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Chile tem parada dura contra Argentina

Não é nada confortável a situação do técnico chileno Juvenal Olmos. Sua continuidade no comando da seleção depende de uma vitória nesta quarta-feira (20 horas, com transmissão ao vivo do SporTV), em Santiago, contra a forte Argentina, que goleou o Uruguai por 4 a 2 sábado e vive momentos de lua-de-mel com os torcedores por causa da substituição de Marcelo Bielsa por José Pekerman. "É um jogo de vida ou morte. Vamos fazer o melhor possível para conseguir os três pontos", disse Olmos.Como se não bastasse a grande qualidade da seleção argentina, o retrospecto é outro obstáculo para o Chile. Em 74 confrontos, foram apenas cinco vitórias, contra 51 dos argentinos e 18 empates. A última vitória chilena foi há 31 anos - 3 a 1, no dia 18 de julho de 73.A pressão contra o trabalho de Olmos é tão grande que já corre pela imprensa uma lista de candidatos a assumir a seleção se o time não for bem nesta quarta-feira. Os mais comentados são o paraguaio Sergio Markarián, o argentino Miguel Angel Russo, o paraguaio Gustavo Benitez e o uruguaio Nelson Acosta, que dirigiu o Chile na Copa do Mundo de 98.O experiente atacante Marcelo Salas, que joga no futebol argentino (River Plate), cobra mais empenho de seus companheiros. "Se jogarmos como na derrota de domingo para o Equador, a Argentina nos atropelará", avisou o chileno.No lado argentino, o técnico José Pekerman fará duas mudanças em relação ao time que arrasou o Uruguai. Mascherano e Tévez, que cumpriram suspensão, voltarão ao time em lugar de Cambiasso e Figueroa. D?Alessandro também tem condição de jogo, mas o treinador optou por manter Riquelme.São esperadas 60 mil pessoas no estádio Nacional e o jogo foi declarado de "alto risco" pelas autoridades chilenas - 500 policiais cuidarão da segurança.

Agencia Estado,

13 de outubro de 2004 | 09h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.