Chivas quer seus jogadores "a jato"

O Chivas armou um esquema especial para que seus jogadores, que estão com a Seleção do México na Copa das Confederações, na Alemanha, possam enfrentar o Atlético-PR, quinta-feira à noite, em Guadalajara, pela outra semifinal da Libertadores da América. No jogo de ida, em Curitiba, o Atlético venceu por 3 a 0. Hoje, o dia foi de descanso para o Atlético e de tensão para o Chivas. Os paranaenses desembarcaram em Guadalajara após 14 horas de viagem. O único que não teve descanso durante o vôo foi o atacante Aloísio, que ainda se recupera de um estiramento muscular na coxa direita. Mesmo dentro do avião, foi submetido a tratamento e corre contra o tempo para ser liberado para o jogo de quinta. Do lado mexicano, havia no ar a ameaça da Fifa de não liberar os atletas da Seleção, que disputarão dois jogos em um intervalo inferior a 48 horas. Jorge Vergara, dono do Chivas, disponibilizou seu jato particular (um Boeing 737) aos atletas que estão em Leipzig - e que amanhã enfrentam a Alemanha, na disputa do terceiro lugar - para que retornem a Guadalajara assim que a partida terminar. Os goleiros Oswaldo Sánchez e Jesús Corona, o zagueiro Carlos Salcido, e os pontas Ramón Morales e Medina estão de malas prontas. A Fifa, porém, advertiu o clube mexicano, no início da tarde, sobre o intervalo entre os jogos ser de menos de 48 horas, e que isso impossibilitaria que os atletas entrassem em campo pelo Chivas. O presidente Joseph Blatter parecia irredutível sobre a possibilidade de conceder aval ao clube. O motivo: no início da Copa das Confederações, Blatter ameaçou o Chivas com punição caso os atletas, que haviam sido liberados pela federação local para enfrentar o Boca Juniors, em Buenos Aires, não retornassem à seleção a tempo. Na noite de hoje, porém, a Federação Mexicana confirmou que havia conseguido a liberação da Fifa para que os jogadores pudessem enfrentar a Alemanha e o Atlético-PR. Se por um lado o entrevero com a Fifa está aparentemente resolvido, o técnico Benjamín Galindo não esconde a indignação com a Conmebol, que ainda não decidiu a punição a Bautista, expulso diante do Boca Juniors, nas quartas-de-final da Copa Libertadores da América. A Conmebol julgará o caso só no fim de julho. Até lá, o atacante estará impedido de atuar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.