Divulgação/White House
Divulgação/White House

CIA revela detalhes de visita de Pelé à Casa Branca

Documentos da agência de inteligência dos EUA têm lista de assuntos debatidos no Salão Oval

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2017 | 06h00

Antes considerados secretos pela CIA, documentos liberados agora ao acesso público pela agência de inteligência dos Estados Unidos revelam detalhes de um encontro de Pelé com o ex-presidente americano Gerald Ford, em Washington, no dia 28 junho de 1975. Os papéis fazem parte dos arquivos da CIA. Eles contêm telegramas, análises, artigos e correspondências internas da Casa Branca.

A pasta referente ao encontro de Pelé com Ford tem 13 páginas. Trata-se de um briefing preparatório da reunião feito pelo então secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger. Uma página do documento, no entanto, não foi liberada pelos agentes da CIA ao acesso público – não se sabe, portanto, seu conteúdo.

Na abertura, o texto de apresentação de Pelé traz a pronúncia do nome do brasileiro em inglês e algumas incorreções sobre sua biografia. Diz, por exemplo, que o Rei participou da sua primeira Copa do Mundo com 16 anos. Na verdade, Pelé tinha 17 anos quando disputou o Mundial de 1958, na Suécia.

Fala ainda que, com Pelé em campo, a seleção conquistou três Copas seguidas, feito que garantiu ao Brasil a posse definitiva da Jules Rimet. As conquistas do Brasil, porém, não foram em sequência. Ganhou os Mundiais de 1958, 1962 e 1970 com Pelé.

O documento preparado pelo secretário de Estado dos EUA lembra também que Pelé fala “um bom inglês” e que o embaixador brasileiro João Augusto de Araújo Castro é fluente. Por vias das dúvidas, um tradutor foi colocado à disposição para acompanhar a visita.

 

Memorando enviado pela secretária do Conselho de Segurança Nacional, Jeanne Davis, para o secretário da presidência, Warren Rustandk, no dia 23 de junho de 1975, avisa que Kissinger não poderá participar do encontro porque ‘estará fora da cidade’, mas que ele considera ser uma boa ideia convidar o embaixador para também ir à reunião na Casa Branca.

O encontro de Pelé com Ford durou apenas dez minutos. Depois de uma rápida reunião no Salão Oval, os dois foram para os jardins da Casa Branca, onde posaram para fotos e bateram bola juntos. Pelé tentou, em vão, ensinar Ford a fazer embaixadinhas. Já o ex-presidente dos EUA mostrou ao brasileiro lances de futebol americano com as mãos. Isso faz 42 anos.

A lista de assuntos debatidos no Salão Oval consta nos documentos revelados agora pela CIA. Ford confessa a Pelé, então jogador do New York Cosmos, que a presença dele na liga norte-americana é um grande negócio para estimular o futebol e o interesse pelo esporte no país.

O ex-presidente admite que os EUA estão entre os países menos desenvolvidos no futebol e que Pelé ajudará a mudar aquele quadro. Desde aquela época, os americanos têm planos de ter uma seleção forte. Por isso, os documentos da CIA falam que “em poucos anos vamos ser capazes de montar uma equipe que pode desafiar os principais concorrentes neste esporte”.

O presidente dos EUA aproveitou que Pelé ficaria dois dias em Washington para enfrentar a equipe do Diplomats e, então, convidou o Rei para uma visita à Casa Branca. O brasileiro fora contratado pelo Cosmos havia apenas 18 dias. O acordo era de três temporadas com salários de US$ 2,8 milhões por ano. À época, Pelé era o atleta mais bem pago do mundo e sua chegada aos EUA provocou grande agitação no país. Uma visita à Casa Branca seria importante para Ford.

HISTÓRICO

Antes do encontro com Ford, Pelé já havia ido à residência oficial da presidência dos EUA dois anos antes. Em 1973, o jogador participara, ao lado da ex-mulher Rose, de um encontro com Richard Nixon.

Quatro décadas depois, foi revelado o áudio gravado pelo sistema de escuta instalado no gabinete presidencial dos EUA. Em um diálogo informal, Nixon pergunta se Pelé “falava alguma coisa em espanhol”. O Rei responde: “Não, português. Mas é tudo a mesma coisa”.

Pelé voltaria ainda outras vezes à Casa Branca para se encontrar com presidentes dos EUA. Em 1977, quando ainda jogava no Cosmos, esteve com Jimmy Carter. Durante a gestão de Ronald Reagan, o 40.º presidente americano, foi mais duas vezes a Washington. Em 1982, bateu bola no jardim. E em 1986, participou de jantar de gala.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.