Vítor Silva/SSPress/Botafogo
Vítor Silva/SSPress/Botafogo

Cícero diz que salários atrasados não vão atrapalhar o Botafogo na Copa do Brasil

Meia garante que time vai ignorar o problema para enfrentar o Juventude, em Caxias do Sul, pelo jogo de volta

Redação, Estadão Conteúdo

08 de abril de 2019 | 13h38

A situação do Botafogo fora de campo não é das melhores e os jogadores estão com dois meses de atraso em seus salários. Eliminado precocemente do Campeonato Carioca - não chegou nem às semifinais da Taça Guanabara e da Taça Rio -, o time só tem a disputa da Copa do Brasil no momento e a ideia é que esses problemas não atrapalhem o rendimento na partida contra o Juventude, nesta quinta-feira, em Caxias do Sul (RS), pela rodada de volta da terceira fase.

"Às vezes, a gente debate muito uma situação e parece que não estamos jogando por causa dos atrasos. Todo mundo gosta de receber em dia. Isso é com a direção. Estamos aqui para defender a camisa. Independentemente do que aconteça, temos que entrar e sempre tentar dar o melhor", disse o volante Cícero, em entrevista coletiva nesta segunda-feira no estádio do Engenhão.

Na última quinta-feira, Botafogo e Juventude se enfrentaram no Rio de Janeiro e houve um empate por 1 a 1. Como forma de protesto, os jogadores alvinegros não se concentraram para a partida. Cícero não sabe se isso vai acontecer novamente. "O grupo resolveu em comum acordo. Não teve stress. Não sabemos como será nos próximos jogos. Vamos obedecer as ordens do clube. O Botafogo estará sempre acima de todos", comentou.

O volante lembrou que na Europa é comum os jogadores se apresentarem no estádio horas antes da partida. "Atuei na Europa, no Catar. A cultura de futebol é diferente. Se você chega duas horas antes do jogo, acham que não está concentrado do jogo. Estamos falando de outro patamar, economia mais forte do que no Brasil. Mas no Barcelona os caras chegam duas horas antes e são campeões da Liga dos Campeões. Acho algo natural. A equipe resolveu fazer isso pela situação dos salários, mas não vamos deixar de dar o máximo por essa camisa. O profissionalismo no Brasil está mudando muito. Se a gente ganha de 3 a 0, ninguém comentaria. Temos que parar com esse pensamento e focar no futebol para sempre fazer o melhor", afirmou.

Sobre o confronto contra o Juventude, Cícero vê o Botafogo preparado para buscar a classificação. "É um jogo muito importante para a gente. Se passarmos de fase, levanta a moral da equipe. Ajuda na autoestima. A estratégia é chegar lá e jogar o jogo. Pressionar ou recuar na hora certa. Queremos ganhar o jogo, temos que nos impor. Temos que ter uma postura positiva e consciente do que vamos fazer lá. Isso é o mais importante", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.