Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Cícero diz querer ficar no Santos, mas admite pendência com Alvinegro

Meia estaria cobrando nova valorização para continuar no time

Agência Estado

27 de janeiro de 2014 | 09h48

ITU - Autor do gol de falta que garantiu a vitória por 1 a 0 sobre o Ituano, na noite do último domingo, em Itu, pela terceira rodada do Campeonato Paulista, o meia Cícero afirmou após a partida que pretende seguir defendendo o Santos, mas admitiu que ainda tem "questões a resolver" com o clube para poder continuar na Vila Belmiro.

Na mira do Shandong Luneng, time chinês que conta com Vágner Love, o meio-campista também interessa ao Fluminense e já estaria cobrando nova valorização para continuar no Santos, depois de ter recebido aumento salarial em setembro do ano passado. Com vencimentos mensais girando em torno de R$ 350 mil atualmente, ele tem contrato com o clube da Baixada Santista até o final do ano, sendo que a multa rescisória do compromisso é de 6 milhões de euros.

"Todo mundo sabe que não tem nada resolvido, mas tenho contrato com o clube. Estou aqui para dar o meu máximo como eu dei no final do Brasileiro do ano passado, também porque se você tem o contrato você tem que cumprir", disse o jogador, ainda no gramado do Estádio Novelli Júnior, onde depois respondeu ao ser questionado se irá seguir no clube: "Estou fazendo a minha parte e minha a palavra é a de que eu quero ficar. Deixei claro isso, mas sabemos que temos questões a resolver".

Já ao comentar o seu gol, marcado aos 45 minutos do segundo tempo, Cícero admitiu que deu "uma sortezinha" ao cobrar falta rasteira e ver a bola desviar de leve na barreira, traindo o goleiro adversário. O jogador, entretanto, admite que o Santos precisa evoluir, depois de ter se salvado de derrota no fim do jogo contra o Audax, na última terça-feira, no Pacaembu, e agora sofrido para bater o Ituano. "Tomamos pressão, mas não tomamos o gol. Sabemos que não fizemos uma boa partida. Mas com as vitórias as boas atuações vão aparecendo naturalmente. Vamos buscar melhorar nas próximas partidas", projetou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.