Ivan Storti/Divulgação
Ivan Storti/Divulgação

Cícero festeja boa fase no Santos e deixa cobranças de lado

Versátil, Cícero ajuda a equilibrar 'correria' dos mais jovens em campo

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

28 de março de 2014 | 05h00

SANTOS - Oswaldo de Oliveira concordou com a venda de Montillo, mas usou todos os argumentos de que dispunha para convencer o Comitê de Gestão a impedir a saída de Cícero, que exigia valorização no Santos (ou seja, um aumento salarial) e ameaçava voltar para o Fluminense ou ir para o futebol chinês. E o treinador tinha razão. Cícero marca, dá assistências e equilibra o time, impedindo que os garotos confundam futebol em alta velocidade com correria. Além disso, ele é capaz de fazer gols decisivos.

"Eu tento dar esse equilíbrio no meio, virando as jogadas, dando passes, porque só na correria podemos nos cansar, pode faltar gás para resolver uma situação difícil", explica o jogador de múltiplas funções. No papel, Cícero é o segundo volante, formando dupla com Arouca, mas ele pode exercer sem problemas o papel de meia ou o de centroavante.

No início, Oswaldo pensou em fixá-lo como substituto de Montillo, com a missão de armar as jogadas e entrar na área para finalizar, mas acabou colocando o jogador alguns metros mais atrás para permitir a entrada no time de outro atacante.

"Passei a jogar mais atrás, mas deixei claro que, se ele precisar, volto a ser meia. Eu gosto de jogar como terceiro do meio de campo, perto dos dois volantes, chegando mais à frente. Mas está bem assim e, de qualquer forma, vou estar sempre ali para ajudar o treinador."

Com contrato até o fim do ano, Cícero deixou de cobrar publicamente o cumprimento da promessa de aumento salarial que o clube teria feito na sua chegada - ele não confirma ter recebido algum tipo de compensação, mas também não desmente. Prefere desconversar. "Não quero tocar nesse assunto agora. Botei na minha cabeça desde o começo do ano que iria focar apenas no trabalho. Vou deixar acontecer. Tenho contrato com o clube e estou cumprindo da melhor maneira possível. E ninguém vai poder falar nada porque ajudo bastante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.