Cicinho aprova reestreia, mas visa melhora no São Paulo

Menos de doze horas depois de desembarcar no Brasil, Cicinho já estava em campo com a camisa do São Paulo na vitória por 2 a 0 sobre o Monterrey, do México, nesta quarta-feira. A reestreia não foi das melhores, é verdade, mas o suficiente para deixar o lateral-direito cheio de alegria pelo reconhecimento da torcida presente no Morumbi.

AE, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 01h09

"É gratificante chegar aqui e ter uma recepção como essa. Cheguei hoje (quarta-feira) de manhã e tive um pouco de trabalho no campo para dar uma relaxada e vimos que tinha condições de entrar", disse o lateral, que entrou em campo aos 31 minutos do segundo tempo, no lugar de Richarlyson.

Apesar dos aplausos da torcida, Cicinho sabe que ainda tem que trabalhar muito para chegar perto do jogador que foi campeão mundial pelo São Paulo em 2005. Depois da boa passagem pelo Morumbi, ele sofreu com contusões e pouco brilhou no Real Madrid e na Roma, seus últimos clubes.

"Fiz um belo trabalho aqui, mas aquele Cicinho já passou e tenho que fazer um novo trabalho aqui no São Paulo", opinou o lateral.

O técnico Ricardo Gomes é outro que espera pela velha forma do lateral. Ele preferiu evitar os comentários sobre os pouco mais de 15 minutos que o jogador esteve em campo.

"O time ainda está em formação. Isso é normal. Não foi nada do tipo: ''pega uma camisa e vai lá''. Isso é coisa de pelada. Se ele não tivesse condições de jogo e com mais os machucados, teríamos pouquíssimos atletas para o banco de reservas", explicou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.